INTEGRIDADE E LIDERANÇA


Russell Shedd

Introdução

Liderança com integridade é o desafio de nossa geração. O
homem que Deus usa tem de ser alguém que tem o coração voltado
para Deus e puro.

A crise de integridade: pesquiza do Fuller Insitute of Church
Growth, 1991

Pastores 90% 46 horas ou mais p/ semana

80% ministério tem afetado a família negativamente

33 % o ministério é uma ameaça à familia

75% tem passado um período de stresse

50% pensam que não estão podendo corresponder às demandas de
sua responsabilidade

90% acham que seu treinamento foi inadequado

70% tem auto-estima menor do que quando começaram

40% tiveram conflito sério com um membro de sua aigreja no ultimo
mês

37% comportamento sexual inapropriado

70% não tem amigo chegado.

Howard Hendricks mencionou que tinha conhecimento de mais de 200
pastores falidos por problemas morais. G. Verver “Que falha
sexulamente, perde tudo”.

Definir integridade – enteireza (wholeness), completo, genuino,
integral, solidez (dicionário), verdadeiro, irrepreensível (1 Tm 3:2),
perfeito (cl 1:28)

Oposto – hipócrita, incoerente, inconsistente, inconfiavel, imoral, anti-
etico, mentiroso, não fazer o que disse que faria..

O desafio do cristianismo não é apenas levar pessoas a
Cristo (assinar um cartão) mas de fazer discipulos. Cf. a Grande
Comissão “…ensinando-os a fazer tudo que vos tenho ensinado”.
Criar pessoas na imagem de Cristo Rm 8:29.

Paulo coloca a primeiro requisito para o ministério é, “ser
irrepreensível” isto, é não dar motivo para julgar or criticar.

Gilbert Highet, “Há muitas pessoas maravilhosas neste mundo, mas as
mais maravilhosas são os missionários budistas e jesuitas, uma vez

que eles foram capazes de educar um filho de um mandarim ou
qualquer outro líder em mais ou menos os mesmos moldes. Esses
missionários fizeram mil vezes mais do que pessoas comuns.”

Porque Highet esqueceu-se dos missionários cristãos
evangélicos? Será que eles não foram capazes de educar os seus
convertidos nos moldes de Cristo?

Gandhi disse, Mostra-me um homem semelhante a Cristo e eu me
tornarei cristão.

Pv 21:2 “Todo caminho do homem é reto aos seus olhos, mas o SENHOR sonda os corações”.

Sl 7:8 “O Senhor julga os povos; julga-me Senhor, segundo a minha
retidão e segundo a integridade que há em mim.” Paulo (At 23;1;
24:16, (sinédrio) “Varões, irmãos, tenho andado diante de Deus com
toda a boa consciência até ao dia de hoje.” (Felix) “Por isso, também
me esforço para Ter sempre consciência pura diante de Deus e dos
homens.”

Sl 25:21 “Preservem-me a sinceridade e a retidão porque em ti espero.

“Sl 78:71,72 e o tomou dos redis das ovelhas; “tirou-o do cuidado das
ovelhas e suas crias, para ser o pastor de Jacó, seu povo, de de
Israel, sua herança. E ele os apascentou consoante a integridade do
seu coração”.

Pv 20:7 “O justo anda na sua integridade, felizes lhe são os filhos
depois dele.”

As Tentações que Ameaçam a Integridade

1. A carne – Pedro negou a Jesus por causa de sua “carne”. Mentiu
por que faltou auto conhecimento. Quando Jesus falou de sua
negação ele declarou sua lealdade e compromisso com o Senhor A
carne tem muita dificuldade de olhar no espelho da Palavra e ver a
si mesma. 1 Pedro 2.11,12.
2. A esperança de melhorar nossa vida – ninguém mente, rouba
somente para brincar sem esperança de melhora. As pressões da
vida moderna levam pessoas que em circunstâncias “normais” não
cederiam ao desejo de aproveitar uma oportunidade.

Problema de educação – colégios evangélicos e católicos.

1. Conhecimento – intelecto, informação, saber memorizar,
repetir – o que se transmite nas escolas e universidades do
pais. EBD transmite conhecimento de fatos sobre Deus, a
Bíblia etc.

2. Conhecimento – experiência, capacitação, treinamento,
prática, trabalho de família, escolas técnicas e entrosamento
numa carreira.

Trata-se com o “como” fazer as coisas, pregar, aconselhar, e não fica
longe do pensamento do mundano que faz as mesmas coisas no
mesmo ou em outro ambiente.

3. Conhecimento –consciência, valores, caráter, hábitos, cultura,
trabalho de família igreja e a própria sociedade. Passa-se
caráter de pais para filhos, mas não necessariamente pelos
motivos certos. Integridade é problema de criar filhos na
disciplina e admoestação do Senhor (Ef 6:4).

* Sorokin de Harvard – 400 casamentos e um divórcio nos casos de
pessoas que regularmente frequentaram uma igreja.

1,015 casamentos e um divórcio no casos de casais que leem a
Palavra e oram juntos.

Não é de admirar que esses números parecem referentes ao
Paraíso e não ao mundo em que agora vivemos.

O casamento revela a natureza e relacionamentos entre os membros da Trindade –1 Co 11.

O casamento revela o relacionamento que Deus tem com seu povo. Jr 2 e 3; Os 2 e 4; Ez 16; Ef 5;
Ap 21,22.

A tragédia do divórcio se reconhece nas estatísticas nos EUA

395,000 divórcios em 1959

479,000 em 1965

1,090,000 em 1977

1.8 milhões em 1979

Em 1981 havia 11 milhões de crianças menores de 18 anos cujos pais são divorciados e mais um
milhão por ano que sofrerão a dissolução de suas famílias. Até 45 % de todas as crianças
nascidas no ano viverão com apenas um dos seus pais antes de chegar aos 18 anos.

Em 1960 Billy Graham disse que um divórcio se realizava em 4,000 casamentos. Em 1981 um
pastor na California disse que de aproximadamente 200 casais apenas 4 estava casados com seus
conjuges originais.

Gen. 2:24 – O ideal no A.T. 1+1=1 Deixar, unir-se e formar uma nova carne. Família.

No mundo pós-moderno, os alunos universitários são liberados
de seus padrões morais. A filosofia de educação que identificou
salvação como progresso social. Misturou darwinismo como o
idealismo alemão. Educação deve ser pragmático, não ensinando
absolutos morais. Todos os valores são percebidos como igualmente
válidos. Os alunos devem decidir o que eles valorizam mais. (Nancy
Pearcey, Total Truth, p. 238,239.

Para o pós-modernista, Richard Rorty, se auto denomina, neo-
pragamatista. “A verdade não está aí esperando a gente descobri-la,
mas ela é construída. O que as pessoas crêem são construções
humanas.

Rorty reduz todas as grandes idéais formativas da cultura ocidental a
acidentes evolucionais. Estas idéias não refletem realidades objetivas,
mas ajuda as pessoas organizar suas experiências e vencer na luta
para sobreviver.

Para o evolucionista, disse o filósofo Roger Trigg, não importa se uma
crença é verdadeiro ou falso, mas se é útil. E assim se chega a onde
o naturalismo darwiniana conclui.

Para o cristão Deus e sua verdade são objetivos, existem e
formam o fundamento de todo realidade que nos afeta. Para quem crê
que a Bíblia e o universo são os dois livros que trazem para pessoas
criadas na imagem do Criador. Abraçar essas verdades é não
somente ser íntegro, mas também ser coerente, cumprir a razão de
sua existência.

A. O perigo que o líder enfrenta.

Stephen Neill, falando para alguns líderes ambiciosos disse, “Os
anos entre quarenta e cinquenta são os mais perigosos na vida do
homem. Esse é o período em que as fraquezas interiores tem maiores
possibilidades de se manifestarem. É muito melhor saber de antemão,
quando somos jovens o que seriam nossas fraquezas e tratá-las, em
vez de deixar os anos nos desgastar e trazer a lume nossas
fraquezas, justamente na hora em deveriamos estar crescendo para
tomar as posições de liderança e tornar-mos colunas da Igreja” (On
the Ministry, SCM Press 1952, 34,35).

Os mansos que Jesus pronunciou bem-aventurados são

“Os que entregam livremente os seus “direitos” a Deus de maneira
que dinheiro, salário, posses pertençam efetivamente a Deus. Este
elemento do caráter é simplesmente compromisso. Quem não pode se
comprometer com uma pessoa, terá dificuldade em se comprometer
com seu trabalho. Falta de compromisso na área sexual ou financeira,
ou em relação ao tempo, os torna rasos em relação ao seus estudos.

B. O Compromisso do Líder

Nossa cultura ocidental tem grande dificuldade em manter
compromissos. Antigamente se desejava ardentemente de se
entregar, marido à mulher e vice versa para a vida toda. Hoje se
espera o casamento tendo medo de se comprometer. Uma vez casado
tem muita dificuldade em se comprometer em ter filhos. Tem
dificuldade em se manter comprometidos com os filhos e não
subordinados aos planos para viagens, férias, negócios etc. cf. Veritas
Reconsidered, Dr. Michael Pakaluk, sept. 1986, p. 17

Todos as virtudes são inter-relacionadas. Promiscuidade seria
para Aristóteles, contraria a sophrosune, “temperança” auto controle.
Quando o sexo se torna isolado da moralidade , torna-se recreio e
prazer. Mas o relacionamento com as outras virtudes é profundo. Trata
a pessoa como um meio e não como um fim, quando se pratica
relação sexual, é para se dar completamente, gratificação se torna
importante e não amor. Fora do casamento prazer se torna o motivo.
Ultimamente, a finalidade de moralidade, conhecimento e arte é
chegar a Deus( p. 74) – adorá-lo por meio disto em concordância com
suas leis e vontade.

É verdade que o mundano pagão pode ser ético, comprometido
com a integridade e honestidade, viver uma vida disciplinada, mas não
alcança a santidade por nada disso. Santidade depende de viver no
temor de Deus e de amá-l0 acima de todas as coisas. O cristão não
pode ser santo sem ser ético, valorizar e manter a moralidade.

Castidade diz Dr. Pakaluk da Un. de Harvard é uma forma de
verdade ou veracidade tal como uma escola não pode encorajar os
alunos a colar para ganhar uma boa nota. Se a sociedade e nossas
escolas mantém a neutralidade em relação a moralidade, falham no
propósito central da educação. Bondade, beleza e verdade foram,
para os gregos antigos, ideais inseparáveis. O cristianismo
providenciou a fundação para sustentar esta idéia.

C. As Áreas Mais Perigosas: Sexo, Dinheiro e soberba

2000 Scope Ministries International

1. Pureza
a. Acima de tudo, guarde os seu coração, pois dele depende
toda a sua vida. Pr 4.23
b. O Senhor vê os caminhos do homem e examina todos os
seus passos”- Pv. 5.21
c. Quem anda com integridade and com segurança, mas
quem segue veredas tortuosas será descoberto” Pv. 10.9

d. Todos os caminhos do homem lhe parecem justos, mas o
Senhor pesa o coração – Pv 21.2
e. Quem procede com integridade viverá seguro, mas quem
procede com perversidade de repente cairá. – Pv. 28.18
f. Entre vocês não deve haver nem sequer menção de
imoralidade sexual como também de nenhuma impureza e
de cobiça; pois essas coisas não são próprias para os
santos. – Ef 5.3
g. Fujam da imoralidade sexual. Todos os outros pecados
que alguém comete, fora do corpo os comete; mas que
peca sexualmente, peca contra o seu próprio corpo. 1 Co
6.18

D. Exemplos de integridade na área sexual

José – Gn 39. 10-12 José decidiu anteriormente como reagiria
contra a tenção. Ele fugiu.

Evite a tentação fugindo dela – 2 Tm 2.22 “Fuja dos desejos
malignos da juventude e siga a justiça, a fé o amor e a paz, com
aqueles que de coração puro, invocam o Senhor.

1. Fugir daquele que atrai a carne – “desejos malignos da
juventude”
2. Seguir o que ajuda e tome o lugar da tentação – justiça, fé,
amor e paz
3. “Procurar a companhia de pessoas santas – “aqueles que de
coração puro, invocam o Senhor”.
4. Diretrizes práticas
a. Avaliar a condição espiritual regularmente – falta de
comunhão com Deus é fatal.
b. Segurar seu casamento – fale com seu conjuge sobre a
qualidade do seu casamento. Tome cuidado de
sentimentos de descontentamento, comunicação fraturada,
pobre relacionamento sexual e ausência de intimidade
espiritual e emocional.
c. Comunicação é a chave para um casamento saudável.
d. Obedecer as Escrituras – 1 Pe 3, Col. 3.18-21 e Ef 5.21-6.3
e. Tome precauções – limites. Cuidado com aconselhamento
com o sexo oposto sem sua esposa estar presente.
f. Cuidado com indicações de atração sexual –

g. Não racionalizar ou justificar conduta pecaminosa.

h. Mantém responsabilidade de abrir o coração com alguém.
Seja transparente.

i. Cuidado com a mente – guarde sua mente. Rm 12.2
j. Considere regularmente as consequências da imoralidade
– diante de Deus, seu casamento, seu ministério etc.

Visão

A. Tem uma visão que vê claramente os alvos
1. Vê além do “sempre fizemos assim
2. “Igreja de Buenos Aires” – rever todo ano e avaliar a
eficácia do ministério.
3. R. Kennedy, “Você vê as coisas como são e pergunta,
porquê? Mas eu sonho acerca de relaidades que jamais
existiram e pergunto porque não?”
4. Afirma os valores do grupo
5. Motiva – estimula o desejo de alcançar os alvos. Cf. John
Page explicando a origem das igrejas Brasil para Cristo em
Rio Comprido, RJ.
6. Administra – planeja, prioritiza, decide, gasta mais tempo
evitando incêndios do que apagando-os. Veja o
planejamento na Criação.
7. Cria unidade funcional
Henry Ford conseguiu o seu alvo de por um carro em cada
garagem americano com o sistema de esteira para
montagem de carros.

8. Gasta tempo para construir e alcançar o alvo – não basta
somente sonhar.

9. Explica, modela, incorpora e simboliza. Jesus e Hudson
Taylor fizeram assim.
10. Representa os liderados – Jo 10.4
11. Renova a organização quando for necessário – vence
as forças reacionárias.

“Nenhuma vida jamais se tornou grande ou importante sem primeiro
ser focalizada, dedicada e disciplinada” (Harry Fosdick).

I. Necessidades
A. Confiança – precisa inspirar confiança porque a tem.
B. Inteligência e experiência – falhará menos
C. Integridade – caráter
D. Entusiasmo – sabe porque vale a pena fazer o que se faz.

Conclusão

Deve ficar bem claro que o líder é a pessoa mais importante da
organização. Por isso devemos gastar muito tempo e esforço para
tornarmos líderes e escolher que no liderará. Errar terá consequências
eternas para o mal.

Nossa filha, Helen trabalhou uns poucos anos com meninos de
rua. Chegou a ter uns 100 voluntários que desejavam ajudar. Ela

confessou que muitos deles tinham problemas tão profundas como os
próprios meninos e meninas abandonados.

Como se aprende disciplina para inserir a integridade no caráter dum
filho ou aluno?

BSF (Bible Study Fellowship) dá umas dicas.

“Crianças são imitadores naturais. Como papagaios, elas repetem o
que elas ouvem. As palavras que elas escutam e repetem formam
seu pensamento e inspiram a atitude dos seus corações. Por exemplo,
a sua criança escuta palavras de louvor e oração no lar. Mantém
consistentemente palavras de louvor e gratidão emanado de sua
boca? Se assim for, espere ouvir palavras de gratidão saindo da
boca de seu filho, como uma fita gravada. Uma atitude de amor e
ação de graças pode ser inculcado.

Uma mãe ficou convencida de que se ela gravasse as brigas e
contendas de seus filhos e deixasse eles ouvirem a si mesmos, eles
melhorariam. Decidiu gravar uma conversa de 30-40 minutos. Que
sorpresa e tristeza quando ouviram a gravação. Foi o negativismo da
mãe que se destacou. Não tinha notado que foi o que ela falava foi o
que estimulou as crianças a tratarem uns aos outros como se
trataram.”(BSF)

Henri Frederic Amiel, Jornal em Tempo 6/1/1853

Auto-governo com ternura- aqui depara-se com as condições de
toda autoridade sobre crianças. A criança precisa descobrir em nós
nenhuma pixão, nem fraqueza da qual possa fazer uso. Tem de sentir
que é impotente para enganar ou nos perturbar. Então reconhecerá
em nós seus superiores naturais. A criança que é capaz de suscitar
em nós ira ou impaciência ou excitação, se sente mais forte do que
nós, e a criança só respeita força.

A Mãe deve se considerar a si mesma como o sol da criança, um
mundo sempre radiante, para onde a criancinha agitada tão
espontânea e rapida para derramar lágrimas e voltar ao sorrisos, cheia
de tempestades e paixão, poss chegar para receber novo estoques de
luz, calor e eletricidade, com calma e coragem.

A mãe representa bondade, providencia, lei, isto é, a divindade
na forma acessível à criança. Se ela for déspota, cheia de paixão,
inculcará na sua criança um Deus irresponsável e despótica. A
religião duma criança depende daquilo que seus pais são, e não
daquilo que els falam. O ideal interior de comina e controla a vida

deles é precisamente o que influencia a criança. Sua palavra, os
protestos e explosões são para a criança mero trovão e comédia, o
que les adoram – é, o que o instinto da criança percebe e em que
reflite. A criança, em fim, vê o que somo atrás daquilo que queremos
ser. O primeiro princípio da educação é portanto treinar a si mesmo e
a primeira regra para dominar a vontade de uma criança é domine a
sua própria.”

Pv 23:13-16 “Não evite disciplinar a criança; se você a castigar
com a vara, ela não morrerá. Castigue-a, você mesmo, com a vara, e
assim a livrará da sepultura. Meu filho, se o seu coração for sábio, o
meu coração se alegrará. Sentirei grande alegria quando os seus
lábios falarem com retidão.”(NVI)

Bater na criança não providencia o contudo do ensino. Se um pai
bate em uma criança porque mentiu, ele está reforçando uma ética
bíblica. Mas se bater em uma criança porque falou a verdade, está
arrasando com o padrão que Deus nos deu para a casa. Se uma
criança desobedece e nada acontece, essa criança está sendo
ensinado a viver como não cristão e de náo ser íntegro. (Douglas
Wilson)

Tem de haver consistência entre a disciplina e a lição. Com mais
consistência, logo a criança aprende e pode deixar de usar a vara. Se
a criança recebe a vara de vez em quando a lição que aprende é não
mentir na 5a feira e deixar de ser íntegro.

Sl 103: 13-14 mostra claramente que Deus tem piedade de nós. Não
castiga sem motivo. Assim os pais cristãos são cuidadosos em aplicar
a disciplina para não criar revolta e ódio reprimido.

A qualidade da disciplina precisa de tal modo forte que a criança
quer evitar outro castigo mais do que cometer outro delito.

Disciplina pessoal e integridade se aprendem em casa.

Disciplina oferece ferramentas para solucionar problemas
declara Dr. M. Scott Peck. A vida é um acumulado de problemas, mas
sem problemas a vida perde seu gosto, seu desafio. Problemas
causam dores. Não fossem as dores causadas pelos problemas, não
seria tão importante implantar a virtude de disciplina no caráter.

Problemas produzem frustração, ansiedade, hostilidade,
ressentimento, remorso, tristeza, solidão e muito mais, tudo que
reputamos ser “ruim”.

Solução de problemas requer sabedoria e coragem. Ben
Franklin: As coisas que doem instruem.

Hebreus 12: 4-11 mostra que há um paralelo estreito entre o
desenvolvimento de crianças na fé e crianças na carne. revela que o
motivo de ter que enfrentar dores na vida é justamente porque Deus
disciplina os seus filhos por causa do seu amor. O alvo da disciplina
de Deus é sermos participantes de sua santidade (v. 10) e produzir o
fruto de justiça (v. 11). Deus quer filhos íntegros.

Gary Kinnaman, publicou um livro entitulado, Coisas Estúpidas
que Cristãos Inteligentes Crêem” – crenças erradas que nos privam de
experimentar a graça de Deus são as mesma que comprometem a
integridade..

Uma dessas crenças é – “Deus é a amor, portanto ele não se
importará com o que estou fazendo.” Mas a Bíblia fala bem alto que
Deus não se acomoda com nosso pecado e desobediência direta.

Outra crença – “O que cremos a respeito de Deus é mais
importante do que como tratamos as pessoas”.

Querer escapar os problemas (isto é desassociar-nos da
responsabilidade ou de adiar o prazer) é o motivo básico do
fenômeno de “doença mental”. Neurose, como disse Karl Jung, é “um
substituto por sofrimento legítimo”. Mas a própria neurose também
cria dor, que em seguida incentiva o desejo de escapar. Assim se cria
camadas sucessivas de neurose uma em cima da outra. Todos nós
pecadores somos mais ou menos levemente neuróticos e portadores
de defeitos de caráter. “Todos pecaram e carecem da glória de Deus.”
(Rm 3:23)

O salário do pecado é a morte (Rm 6:23)

Uma das mais duras e valiosas lições que a vida tem para nos
ensinar e aceitar e valorizar o sofrimento. Enfrentar problemas sem
desvios, escapatórios, reclamações e aceitar o sofrimento dando-o
boas vindas (Tg 1:2). O que vem em seguida é a lição básica na vida
de quem cresce para maturidade, isto, é integridade.

David Brainerd, “Dificuldades e provações servem para me
desmamar do mundo e tornar o céu mais doce. Antes, quando fui
exposta a chuva e frio, tinha pensamentos voltados para uma casa,
uma lareira para me esquentar e confortar, mas agora, estes tem
menos atração para meu coração, pela graça de Deus, e meu olho é
voltado para Deus para receber conforto. Neste mundo espero aflição.

Agora não me parece estranho nem me encorajo com as palavras,
“Será melhor daqui um pouco. Pelo contrário penso como poderia ser
muito piro, e como são piores os sofrimentos que outros estão
passando. Bendito seja Deus que me conforta nas provações, e
quase nunca permite que estes pensamentos sejam acompanhados
por mêdo e melancolia mas são muitas vezes acompanhados de
grande alegria.”

Dr. Scott Peck coloca em sua lista quatro ferramentas
disciplinares, essenciais para enfrentar e solucionar problemas.

I. Adiar a gratificação – sofrimento agora, glória futura (2 Co
4:16,17).

Uma criança espera sua vez para entrar num jogo- antecipa o
futuro prazer. Comer verduras e depois bolo e sorvete. Fazer as
tarefas da escola antes de assistir a TV.

Uma das áreas que cria tentação é a compra com dinheiro que
não temos – à prazo.

Em Heb. 11, os heróis da fé sofreram primeiro e depois foram
galardoados. Veja Abraão, José, Moises etc.

A criança que não aprende esta ferramenta, provavelmente será
candidato para vícios, presídios, e desastres psicológicos. Os
problemas são criados por que querem primeiro o prazer e não
se importam muito com as conseqüências.

Como é que a criança aprende esta maneira de viver –
com o mau exemplo de seus pais, com irmãos e amigos.

* Susana Wesley lamenta o problema que teve com os filhos que
foram para casas de pessoas apos o fogo que destruiu a casa
pastoral.

Positivamente, filhos aprendem esta ferramenta num lar
em que há domínio próprio (Gl 5:23) que é uma das facetas
principais do amor.

Quando existe disciplina com amor, a criança reconhece que ela
é valorizada.

Disciplina e controle sem amor criam farisaismo – rigidez e
soberba (Lc 18). “Te dou graças Senhor que não sou como os
outros homens…

Crianças detectam que os pais sofrem com eles, e isto cria
integridade. Veja o sofrimento de Jesus conosco aqui na terra.
Pedro reagiu humanamente: “Tem compaixão de ti, Senhor” (Mt
16:22).

Charlie Shedd – cria-se filhos com promessas

1. Depois de certa idade não mais indagaria se fez
as tarefas da escola. Não perguntaria que horas
voltaria para casa. Não o vai pressionar sobre os
seu amigos ou pagar mais do que metade do
preço do seu carro ou mais do que metade da
multa. Tudo garantido pela certeza que dá para
ensinar uma criança adiar a gratificação.
2. Certamente havia esperanças boas que o filho
pródigo melhoraria apos seus sofrimentos.
3. Problemas do tempo – Ef 5:16

Um defeito de caráter muito comum é procrastinação.
Não remir o tempo de maneira que o problema que
se enfrenta continua. Problemas não desaparecem
por acaso. Muitos esperam que os problemas que
enfrentam desaparecerão como aconteceu quando
eram crianças. Os nenés sentem fome e logo
aparece a solução que mamãe providencia.

O problema da Casa Publicadora dos Batistas do
Brasil (JUERP) ilustra o que acontece quando um
problema não é resolvido em tempo hábil.

Não querendo enfrentar a dor de solucionar um
problema, os pais esperam em vão que o menino
amadurecerá e deixara para trás o problema de
drogas, roubo, mentira, etc.

Muitas vezes piora a situação, precisando resolver uma doença
enraizada ou em defeito confirmado. Veja o caso de adolescentes que
perderam ou nunca tiveram respeito pelos seus pais. Esse problema
não aparece de um dia para outro. Logo em seguida, os filhos
rebeldes estão convivendo com jovens nada confiáveis que os
introduz a drogas e a prostituição, e finalmente, o crime. Assim vem
problemas muito mais inquietantes para dentro do lar ou a igreja.

Paralelo à procrastinação é o de não terminar o que começou.
Começa ler um livro mas não termina. Começa um sermão mas não
termina etc.

4. Caio Fábio respondeu `a pergunta na Vinde, “Esse
tipo de liderança que o senhor critica cresceu (em
tamanho) ou o público evangélico consegue
discernir entre líderes éticos e não éticos?

“Acho a situação piorou, e o sindicato de pastores é demonstração
disso. A coisa está caindo no nivel do corporativismo sindical,
completamente diferente daquilo que eu me lembro quando eu me
converti. Certa madrugada, com meu coração abrasado por Jesus, vi
um cartão com uns pescadores puxando uma rede, escrito assim
“Para aqueles que trabalham para Deus, basta o privilégio de um dia o
haver conhecido.” Aquilo inundou minha alma. Esse tipo de cartão, a
igreja não faz mais. Agora é se você conhece a Jesus, vai ficar muito
rico. É Deus pagando para você ser crente, não você servindo a Deus
pelo privilégio de o conhecer. E os mecanismos de alienação,
manipulação e indução são muito mais fortes hoje do que no passado.
Milhares amam Jesus e são sinceros, mas muita gente não sabe
discernir a mão direita da mão esquerda, porque é orientada por
lideranças para as quais o importante é a realização de alguns
objetivos, não importa como chegar lá.”

Pais que conseguem criar filhos com amor e disciplina, estes se
tornam adultos que tem reconhecimento do seu valor e tem profundo
sentimento de segurança. Serão otimistas e repletas de esperança
para o futuro.

II. Aceitar Responsabilidade (a Segunda ferramenta para resolver
problemas)

Ser cristão tem tudo a ver com responsabilidade. “Mas agora ele os
reconciliou pelo corpo físico de Cristo, mediante a morte, para
apresentá-los diante dele santos, inculpáveis e firmes na fé, sem se
deixar afastar da esperança do evangelho.” Cl 1:22,23.(NVI)

Porque se a mensagem transmitida por anjos provou a sua
firmeza, e toda transgressão e desobediência recebeu a devida
punição, como escaparemos nós se negligenciarmos tão grande
salvação? “Hb 2:2,3. “Cuidado, irmãos, para que nenhum de vocês
tenha um coração perverso e incrédulo, que se afaste do Deus vivo.
Pelo contrario encorajem uns aos outros todos os dias, durante o
tempo que se chama “hoje”, de modo que nenhum de vocês seja

endurecido pelo engano do pecado, pois passamos a ser participantes
de Cristo se, de fato, nos apegarmos até o fim à confiança que
tivemos no princípio…”Hb 3:12-14NVI.

Ricardo Barbosa escreveu na Revista Vinde IV, 47, p. 54 “O apelo
para uma vida leve, sem compromissos, prazerosa, desobrigada, nos
fascina. Não queremos nada que nos prenda, que exija de nós
compromissos, rotinas, obrigações. Nada que nos peça obediência,
submissão, rendição. Os relacionamentos no mundo pós-moderno
caminham para algo mais leve, menos formal, mais preocupado com o
prazer, a liberdade individual, do que com responsabilidades e
deveres.”

Alan Guinnis, após ampla pesquisa concluiu, “Os que são bem
sucedidos em suas carreiras e relacionamentos, são diferentes em
sua educação, sua aparência, suas personalidades e IQ. Uma
qualidade todos tiveram – uma apaixonada intensionalidade: o que os
pesquisadores chamamos de “compromisso”.

As pessoas que invariavelmente subiram a escada de sucesso,
sabiam como se dar a pessoas e a projetos. Eles mantinham sua
devoção muito tempo depois que a média tinha esquecido e
abandonado o projeto.

Tal convicção é típica das pessoas que atingem grande projeção
na sociedade. Eles tem credos firmes e abraçam crenças firmemente.
Eles se firmam sobre verdades, sem se importarem com quantas
pessoas estão desanimadas e virando as costas para abandonar o
alvo.

A venda dos vols. 1-6 de Seja Um Obreiro Aprovado, mostra
como são poucos que tem a perseverança para chegar no fim.

Pessoas eficazes esperam encontrar barreiras e falhas na sua
frente, e ainda que usualmente enfrentam severas dificuldades, eles
não se desanimam por causa destes desvios.

Que é que mantém estes indivíduos avançando nos altos e
baixos de mudanças e derrotas? É seu compromisso. Eles possuem
um fogo para alcançar alvos predeterminados. Quando as crises os
atrapalham eles demonstram esse paixão que detona nova energia. O
seu compromisso os impulsiona novamente para frente.”

Integridade nos relacionamentos, isto é, criam alianças seguras–
maduros quer dizer responsáveis. Deus é o Deus da aliança – graça e
confiabilidade – hesedh e emeth.

A. Casais, esperam antes de se estimular ou ter relações
sexuais. Casamento é compromisso responsável com outra
pessoa. Os votos são promessas mesmos, como qualquer
contrato solene. Ap 21:8 – os mentirosos serão lançados no
lago de fogo.

1 Cor 6:9 “Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de
Deus? Não vos enganeis nem impuros, nem idólatras nem adúlteros,
nem efeminados, nem sodomitas, nem ladrões, nem avarentos, nem
bêbados, nem maldizentes, nem roubadores herdarão o reino de
Deus.”

Scott Peck, “Negação é o termo usado para designar a atitude de
tentar escapar um problema negando a responsabilidade pessoal pelo
problema. Viciados em drogas ou álcool, pessoas que não pagam
suas contas ou traiem seus cônjuges, são pessoas irresponsáveis.”

B. Negar responsabilidade – desculpas em lugar de
arrependimento.

Disse Ricardo Barbosa:

“O problema aqui é que nem sempre aquilo que me seduz
preenche a minha verdadeira humanidade. A sedução joga com
minhas necessidades, paixões, carências, fantasias, sonhos e
distrações passageiras. …precisamos construir relacionamentos que
nos ajudem a superar nossas limitações e obstáculos, que sejam
transformadores do caráter, formadores de um espírito coerente,
saudável e livre de uma humanidade real e verdadeira.” (p. 54)

Dr. David Powlison, “Mudança ocorre, não por meio de evidência
adicional…mas por transposição que ocorre dentro da mente. O que é
mais dificil é mudar as paradigmas –a mesma informação recolocada
em outro contexto, um sistema novo de relacionamentos. Linguagem
psicológica pode nos desviar da verdade – vocabulário errado pode
nos des-estimular neste projeto de realinhar nossos pensamentos.

Em lugar de aumentar nosso auto estima, seria muito mais útil
buscar auto conhecimento mais acurado, criando e sendo causado por
uma estima maior pelo Senhor Jesus Cristo.

Dra. Lois Dodds, “The Role of the Holy Spirit in Personality
Growth and Change,” ( PhD na Un. Sta. Barabara, Cal.).

Trata de demonstrar que 12 indivíduos que mostraram ajuste
excelente totalmente oposto ao que se esperava, era uma
manifestação do poder do Espírito Santo. Chamava-os de “Questers”
quer dizer, “Buscadores”. Identificou certas qualidades que facilitam a
operação do Espírito.

1) Reconhecimento de vulnerabilidade
2) Tomando a iniciativa na busca de Deus
3) Profundo reconhecimento que Deus está presente e pessoal
4) Reconhece Deus como a fonte, o propósito, o significado e
tudo mais.
5) Eles se vêem com parceiros com Deus
6) Se reconhecem fracos, mais experimentando o poder de
Deus quando ele realizam os propósitos de Deus no mundo.
7) Primazia de personalidade – Deus como pessoa.
Enriquecimento de si mesmo como pessoa em
relacionamento com outros.
8) Eles crêem que experimentam algo sobrenatural, efetuando
mudanças pela ação divina neles.

Hans – primeiras memórias em uma cidade sendo destruída por
bombas. Fugui com mãe e irmão do leste da Europa para ficar numa
vila supersticiosa. O pai, violento oficial Nazi, espancando sua mãe e a
avó envolvida com ocultismo. Tornou-se comunista. Quem imaginaria
que ele se tornaria cientista de renome mundial e pastor para
missionários em volta do mundo, depois de guerra, abuso sexual,
hostilidades na família etc.?

Grace, lembra sendo estuprada pelo seu pai com revolver apontado
para sua cabeça, e muitas vezes sua mãe prostrada no chão da
cozinha bêbada, chamando para Jesus. Depressão quase a levou
para a morte. Tornou-se evangelista que ganhou centenas para Cristo.

Com tantas experiências de profunda decepção com múltiplos
estupros e traição da mãe, percebeu sua alienação de algo muito
importante para ela.

Entendeu que precisava viver sua vida pelo poder de Deus e não pela
lei. “Comecei a sentir profundo amor pelo mundo. Parei de ver o
mundo como o inimigo.

Emily lembra o desprezo profundo que tinha para mulheres
gerado pela sua mãe alcoólatra (o pai também). Com será que eles se

tornou uma esposa linda, mãe mulher de negócios bem sucedida.
Ama mulheres profundamente.

A busca pela motivação e meios pelos quais indivíduos crescem,
mudam e desenvolvem é foco de muita pesquisa nas áreas de
religião, psicologia, e educação. Interessante observar quantas
pessoas que creem em poder espiritual, mas não demonstram
crescimento e progresso. Parece que se entolam e não vencem os
obstáculos e crises, bem semelhantes a pessoas sem fé alguma.” Lois
Dodds

Falta de integridade surge por causa de nossa pecaminosidade
humana.

Dr. David A.C. Powlison: Mas criamos “mecanismos defensivos”
que biblicamente não são outra coisa senão pecados.

1. Tememos que outros tem as mesmas motivações que nos
temos; nós acusamos os outros de lascívia, raiva, avareza e
soberba . Um marido tem temores persistentes que sua
esposa não é fiel. Ele mesmo tem culpa escondida de Ter
praticado sexo antes de casar. Este pecado se chama
“projeção” que em forma extrema se torna paranóia.
2. A gente encobre suas falhas, pecado e culpa, esforçando-se
para ser bonzinho sem se arrepender genuinamente diante de
Deus e os outros. Negam a verdade sobre si mesmos para
Deus e os outros. Mostram uma atitude de bondade insincera
como sinais de “amor”, sem perceberem que são críticos,
irritados decepcionados, motivado por lascívia – este
mecanismo se chama, “formação de reação”. A verdade é
escondido da consciência com uma reação oposta.
3. Atenção mal dirigida. Atenção e importância dada a assuntos
e práticas secundárias. Escatologia, cortar cabelo etc.
esconde as más relações que tem com os colegas e irmãos.
4. Fantasiar em lugar de encarar problemas biblicamente. É o
jeito de encobrir esperanças falhadas, feridas e dores não
perdoadas, ideais não alcançados, solitários. Novelas,
romances, sonhos de beleza etc de uma jovem que fantasia
um relacionamento afetivo satisfatório.

5. Caiar ou encobrir os defeitos e pecados dos outros – uma
viuva que fala do seu marido como se fosse um “santo”,
mesmo sendo alcoólatra, mentiroso, safado. Chama-se esta
prática de “Inversão”.
6. Pessoas criam problemas físicos em vez de encara-los.
Ansiedade, tristeza raiva e muitas outras emoções se
manifestam por meio psicosomatismo. Chama-se conversão.
7. Criar bodes-espiatórios – Um estressado empregado grita a
esposa, e filhos, por causa de problemas no escritório.
Resmunga por coisas mínimas. Não reconhece o orgulho
fundamental que domina sua mente. Chama-se deslocação
porque as atitudes são deslocadas de suas causas reais.
8. Pessoas negam a realidade para encobrir de si mesmas a sua
culpa.

A mãe desculpa a criminalidade do filho. “Realmente, ele é um
filho bom, somente foi seus colegas que o desviaram do bom
caminho.

9. Pessoas compensam por suas falhas em vez de encarar
maduramente essas falhas. A termo compensação reune
muitas maneiras de escapismo e negação substituindo uma
casamento ruim demonstrando uma preocupação excessiva
pelos filhos.
10. Pessoas racionalizam – Tentamos nos colocar sempre na
melhor luz. Alguém que se prostituiu o adulterou, afirma que
realmente eu amo a minha esposa.
11. Usa-se eufemismos para negar a verdade – “Estou
irritado”, não “estou com raiva”. Tenho baixo estima, por isso
ajo dessa maneira. Etc.
12. Comparando-se um com o outro. Tenho falhas, mas não
sou tão ruim como os outros. “Comparação vantajosa”.
13. Transmutar a culpa para Deus ou os outros. Deus me fez
assim; foi criado desse jeito. Meus pais se divorciaram, por
isso sou assim.
14. Espalhar a culpa. “Todos mentem na declaração do
imposto de renda. A lei permite o aborto. “difusão de
responsabilidade.”
15. Ignorar e minimizar os efeitos de nossas ações.

III. Compromisso com a Verdade

Integridade tem como seu elemento central o compromisso com
a verdade. O pós-modernismo questiona este princípio básico,
argumentando que existe uma pluralidade de visões em relação
ao “bem”. Se não é para acertar a questão ética pela força,
precisamos focar o bem de todos. Disse Vanhoozeer (da New
College, Edinburgh) “Adotar o ponto de vista moral requer que
transcendamos nossos contextos socio-históricos particulares e
adotemos a perspective de todos aqueles possivelmente
afetados por uma discussão. Uma norma é válida quando
corresponde a um interesse geral e, portanto está sujeita a
“universalização” que quer dizer, ‘o princípio básico de um
discurso ético, implica um procedimento específico por meio do
qual normas contestadas são aceitas depois de suas
consequências terem sido entendidas por todas sem coerção’
(citando Habermas), (Há um Significado neste texto?” (Ed. Vida,
2005, p. 469).

Ninguém comunica, seja na fala, seja na escrita sem a
intenção de ser entendido. Agir comunicativamente é ter a
esperança de que não se vai ser presa da violência
interpretativa”. O direito interpretativo designa a norma que é do
interesse de todos, visto que proíbe a violência interpretativa.
‘Faça ao discurso dos outros o que gostaria que fizessem com o
seu’ (ibid, 470).

Isto não quer dizer que dizer que todos falam a verdade. A
verdade forçado pelo cano dum rifle reconhece que muitas
declarações sofrem a distorção de interesses particulares.
Pragmatismo tem esta falácia, endossando os valores que a
sociedade abraça no momento.

Pearcey critica com razão o pensamento promulgado na
maioria das escolas secundárias e universidades no mundo
ocidental, que a teoria de evolução é a verdade. Excluem a
inteligência de Deus apriori.

Mas todos reconhecemos a distinção entre o acaso e o
planejado. Marcas deixados na praia arenosa pelo vento e um
castelo construído para um arquiteto adolescente não se
confundem.

Astronomos buscam evidência para inteligência
extraterrestre. Não seria necessário muita capacidade cerebral
para saber que algum som emanando dum ponto remoto do
universo é natural em contraste com uma mensagem, mesmo

sendo codificada em linguagem desconhecida. Os hieroglifos do
Egito existiram durante muitos séculos sem ninguém poder
decifra-los mas ninguém concluiu que foram produzido por
acaso. Com a ajuda da Pedra Rossetta em 1870 foi possível
finalmente decifrar essa comunicação dos antigos egípcios.

Toda mensagem não poder ser comunicado por acaso.

O criador de relógios cego de Dawkins (universidade de
Oxford) foi emprestado de Wm Paley há 200 anos. Tudo tem
sinais de inteligência, de desenho, partes coordinados e
direcionados para um propósito (o olho para ver, e o ouvido para
ouvir). Dawkins acha que se pode substituir o criador do relógio
por um processo cego. A seleção natural de Darwin não requer
uma pessoa inteligente apenas um processo natural. Parece que
tem propósito inteligente, mas não é mais do que aparência.

Behe argumenta argumenta contra esta posição no seu
livro, Darwin’s Black Box, que não é possível explicar a evidência
dessa forma. “Cada célula tem um sistema automático como de
trânsito rápido em certos moléculas funcionam como pequeninos
trens, correndo em trilhos para levar cargas duma parte da célula
para outra. Quando o trem chega ao endereço certo,
descarregam sua carga. Outras moléculas agem como maquinas
que carregam o trem e mandam para o enderesso certo.
Quando chegam ao endereço, outras moléculas servem para
descarregar.” (Pearcey, p. 186)

150,000 kms de vasos sangüineos levam oxigênio para as
30 trilhões de células do corpo, bem como combustível e
proteínas para produzir energia e funcionamento. Retiram os
tóxicos e os depositam no filtro dos rins que purificam o sangue
para que o corpo possa sobreviver.

Mas o processo somente pode funcionar quando todas as
parte estão a funcionar. Não é possível funcionar gradualmente
enquanto o sistema esteja melhorando. Não se pode usar um
olho que está em processo de formação, Tem que funcionar
somente quando fica completo, juntamente com os nervos e o
cérebro. Não é possível ter filhos com apenas um progenitor tem
que ter pai e mãe, de modo que não há nenhuma maneira de
explicar como o processo de produzir filhos que requer duas
pessoas ou animais possa funcionar.

Phillip Johnson, prof. De direito na Un. De Calif. Em Darwin
on Trial, argumenta que é impossível demonstrar a veracidade
dessa teoria

(seleção natural das espécies). Os cientistas evolucionistas
apresentam a evolução como uma religião sem revelação, porém, não
querem admitir que seja necessário crer sem evidência. Falta
evidências de órgãos sendo criados no laboratório. O que eles têm
feito é assumir, como princípio primário, que processos materiais sem
propósitos podem realizar todo o trabalho da criação biológica,
porque…não há outro meio para realizá-lo…O seu pensamento é
profundamente ateu”(R. Shedd, Criação e Graça, Shedd Pub.., 2003,
p. 224).

É difícil crer que os cientistas estão comprometidos com a
verdade. Os princípios de ciência requerem que se afirme verdades
comprovadas pela evidência, não declarar dogmas insustentáveis.
Não é suficiente evangelizar descrentes dizendo que funciona para
mim. Temos que mostrar que o evangelho é verdade, históricamente.
Jesus Cristo cumpriu muitas profecias preservadas no Antigo
Testamento e reivindicou sua origem divina. Nasceu da Virgem.
Morreu numa cruz agonizante e ressuscitou num corpo glorioso.

A proposição da Nova Era declara que a verdade é
relativa. Tudo é uma manifestação de Deus.

O pos-modernismo tira sua inspiração de F. Nietzsche, que
achou que “linguagens de bem e mal” não tem raízes na verdade
e nem na razão mas na busca pelo poder. Fukuyama disse que
o declínio na moralidade tradicional se baseia no pensamento de
Nietzsche que a moralidade não é objetivo. Excluir Deus do
universo, náo deixa outra opção. A moralidade do evolucionista
ou ateu foi inventada para encobrir as lutas pelo poder.
Moralidade é socialmente constituido.

O mundo de hoje: propaganda (desde os tempos de Hitler)
significa a busca pelo poder pela proclamação de meias-
verdades. Veja a natureza dos anúncios, mesmo em nossas
revistas evangélicas.

Notem a dificuldade que temos de cantar a verdade em
nossos corinhos, em nossas “entregas” – “Tudo a ti entregarei”.

Decretos da parte de líderes que depois de orar por um
doente, declaram que ele está curado. Ou como o caso recente
na igreja do Pr. Ouriel de Jesus, que convidou os membros da
igreja para a ressurreição dum defunto. Como nada milagroso
aconteceu, ele explicou que Jesus tinha mandado a alma voltar,
mas ele não quis.

III. Contextualização

Definição : Imutável verdade comunicada com sensibilidade.

Plantas fora do seu ambiente (contexto) não podem manter sua vida e
frutificação. As parábolas de Jesus mostra a importância da semente
(a Palavra), o solo e o clima.

O mundo pós-moderno

A. Jo 1:1-18

v. 14 O logos se fez carne e habitou entre
nós…consequentemente, vimos a sua glória, a glória como
do Unigênito, cheio de graça e verdade.

O Logos corresponde à racionalidade do universo na
maneira de pensar dos filósofos contemporâneos do
primeiro século. Hoje, a racionalidade de tudo que existe
permite as pesquisas e conclusões. Trata-se do mundo
inanimado. Jesus trouxe vida – “A vida estava nele e a vida
era a luz dos homens. A luz resplandece nas trevas, e as
trevas não prevaleceram contra ela.

Antes da Renascença, a rainha do conhecimento humano
era a teologia. A verdade era aquela que a Igreja ensinava.
Hoje, temos apenas opiniões teológicas e certeza acerca
da ciencia.

1. Um homem veio como testemunha para testificar a
respeito da luz.
2. Jesus é a verdadeira luz que, vinda ao mundo, ilumina a
todo homem. Contextualização de Deus que se revelou
no Filho.
3. Nicodemos – representa os judeus que creram (2;23s).
Questiona a possibilidade de Jesus pregar uma
mensagem falsa –
a. sinais – provas (como experiências no laboratório)
b. Jesus disse: somente nascendo do alto (vindo o
Espírito) e o arrependimento (água) seria possível ver
ou entrar no Reino.

O ministério da luz –no contexto do mundo.

1. Iluminar o vazio de uma vida voltada para o material.
“Não ameis o mundo nem as cousas que no mundo
estão…”1 Jo 2:15
2. Iluminar a verdadeira natureza do pecado – Meninger:
“Que aconteceu com o conceito do pecado?” Todo
aquele que pratica o mal aborrece a luz e não se chega
para a luz, a fim de não serem arguidas as suas
obras”Jo 3: 20
3. Iluminar o coração do homem que ama mais as trevas
do que a luz, “porque suas obras eram más”(Jo 3:19)
4. Ele “veio para o que era seu, e os seus não o
receberam” (Jo 1:11).
5. “Que pratica a verdade aproxima-se da luz, a fim de que
as suas obras sejam manifestas, porque feitas em
Deus” (3:21).

C. Dedicação à verdade –

“O malfazejo atenta para o lábio iníquo; o mentiroso inclina os
ouvidos para a língua maligna” (Pv. 17:4).

Jo 1:14 “A Palavra tornou-se carne e viveu entre nós. Vimos a
sua glória, a glória como do Unigênito vindo do Pai, cheio de
graça e de verdade”(hesedh e emeth). Jesus, o eterno LOGOS
se contextualizou entre nos e vimos sua glória, isto é, como viver
santo e piamente me uma sociedade corrupta e perversa.

João 8:31s (NVI), Disse Jesus aos judeus que havia crido nele,
‘Se vocês permanecerem firmes na minha palavra,
verdadeiramente serão mêus discípulos e conhecerão a
verdade, a verdade os libertará”.

Ef 4:15, “Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo
naquele que é a cabeça, Cristo”.

Marcos Camargo e Silva, ouviu um casal de missionários
canadenses perguntar, “Por que o brasileiro gosta tanto da
mentira?” Imediatamente percebi que a afirmação era muito forte
e que isso poderia, facilmente ser aplicado também para o
Canadá, para os EUA ou para qualquer oturo pais. …Depois de
cinco anos…Hoje, se você me perguntasse: “É verdade que o
brasileiro gosta da mentir?”eu lhe responderia que sim. Penso
que existe esta conivência maior com a mentira do que com a
verdade. Não podemos generalizar; muitos são sinceros e
respeitam a verdade”.

As proposições da Nova Era são que a verdade é relativa.
Tudo é uma manifestação de Deus.

O pos-modernismo tira sua inspiração de F. Nietzsche, que
achou que “linguagens de bem e mal” não tem raizes na verdade
e nem na razão mas na busca pelo poder. Fukuyama disse que
o declínio na moralidade tradicional se baseia no pensamento de
Nietzsche que a moralidade não é objetivo. Foi inventado para
encobrir as lutas pelo poder. Moralidade é socialmente
constituido.

O mundo de hoje: propaganda (desde os tempos de Hitler)
significa a busca pelo poder pela proclamação de meias-
verdades. Veja a natureza dos anúncios, mesmo em nossas
revistas evangélicas.

Notem a dificuldade que temos de cantar a verdade em
nossos corinhos, em nossas “entregas” – “Tudo a ti entregarei”.

Decretos da parte de líderes que depois de orar por um
doente, declaram que ele está curado. Ou como o caso recente
na igreja do Pr. Ouriel de Jesus, que convidou os membros da
igreja para a ressurreição dum defunto. Como nada milagroso
aconteceu, ele explicou que Jesus tinha mandado a alma voltar,
mas ele não quis.

Violência

Cinema e jogos empurram o conceito que a violência é o que há
de melhor no entretenimento. Desenhos para crianças usam a
violência para passar esta visão da realidade.

Michel Foucault até louvou violência irracional como um meio de
se libertar das regras impostas em prol da razão.

F. Schaeffer recomendou que nós empurremos os homens
modernos até as conclusões inevitáveis do seu pensamento. O
pos-modernismo foi demonstrado em Littleton, Co. com a morte
dos alunos da Columbine School.

Charles Colson nos relembra que nossa maneira de pensar tem
implicações.

Nos primeiros anos da vida confunde-se a imaginação com
a realidade. Um dos objetivos da educação é aprender a
distinguir entre a mentira e a verdade.

Scott Peck diz que quando os pais decepcionam os filhos
de maneira que estes não mais podem confiar neles, é comum
os filhos transferir a “figura do pai ou mãe” a outra autoridade.

Cria-se um mapa para a vida durante os primeiros anos de vida
pelo qual interpretamos o mundo ao nosso redor. Se não for
revisado, pode atrapalhar a capacidade de “ver” a realidade. Por
ser muito dolorido admitir que pais mentem, a criança desculpa
esse erro porque seria muito doloroso. A atitude resultante, é
não confiar nas pessoas.

O marido tem ciúmes exageradas da esposa ou vice versa
porque não se pode confiar na palavra do cônjuge.

Importante é ver a realidade sem transferências.

Os alicerces do Cristianismo que influenciaram o mundo
ocidental estão caindo e se desfazendo. Já passamos pelo
período do iluminismo e no meio do –post-modernismo com seu
ceticismo e insegurança. Nós nos identificamos com o mundo
moderno, suas bênçãos de mídia, carros, aviões, radio e TV,
publicações, etc. Como será nosso relacionamento como o
mundo pos-moderno?

O homem pos-moderno não está preocupado com a veracidade
de

II. Unção – Atos 1:8 “Recebereis poder (dunamis)…

À pergunta feita a Caio Fábio: E a Igreja tem alguma saída?

Resposta, “Digo uma coisa com extrema humildade temor e tremor –
hoje sou um profeta mortalmente ferido, mas não deixei de ver as
coisas: para mim, só uma reforma profunda, guiada pelo ES, lavando
esse lixo todo, pode salvar o que a gente chama hoje Igreja
evangélica. Do contrário, assim como Deus abandonou o judaísmo,
que um dia foi seu porta-voz, e instituições históricas que começaram
como um movimento e terminaram como mausoléus religiosos, ele
não teria qualquer problema de incitar o surgimento de expressões de
fé genuínamente cristãs, mas que não se chamem pelo nome Igreja.
Do jeito que as coisas vão, se não houver uma virada, eu diria tão
profundo quanto a do século 16, vamos assistir à medievalização das
práticas evangélicas, com perda de conteúdo: felicidade, amor,
misericórdia, solidariedade e pureza diante de Deus, que são as
marcas distintivas e revolucionárias da Igreja.”

A. Unção refere `a centralidade de Deus na vida – cf os
discípulos antes de Pentecoste (vamos pescar) e depois –
Atos 2 – 3,000 almas

1. Jonathan Edwards, (um homem que Deus usou de maneira
extra-ordinára, ungido para intermediar um avivamento)
“Se não estivermos em seriedade com a religião, e nossas
vontades e inclinações Não forem fortemente exercitados,
somos nada. As realidades da religião são tão grandes,
que não pode haver nenhum exercício apropriado de nosso
coração, senão for poderoso e vivo” (Afeições Religiosas,
1746 p. 28).
2. Paulo, contrastando-se com os mercadejadores da
Palavra, afirmou, “Antes em Cristo é que falamos na
presença de Deus, com sinceridade e da parte do próprio
Deus” – 2 Co 2:17

Ed René Kivitz escreveu na Revista Vinda IV, 47, “Que ninguém se
iluda. A correria aos templos em busca de socorro circunstancial não
quer dizer absolutamente nada em termos de multiplicação de
cristãos. Nem mesmo os favores divinos eventualmente recebidos são
evidências de conversões genuínas. Afinal, Deus faz o sol nascer

sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos (Mt 5:45).
Entre os leprosos, todos foram curados pelo favor de Deus, mas
apenas um experimentou salvação em plenitude em resposta à sua fé
(Lc 17:11-17). (Milagres se constatam em Lourdes e Fátima).

Há portanto dois evangelhos na praça. O primeiro convoca
pessoas para que supliquem o favor divino e vejam suas vidas
mudando de fora para dentro, sendo que, na maioria das vezes, as
coisas, quando mudam, só fazem do lado de fora. Este promete
mundos e fundos para quem não é bobo, está sofrendo ou deseja
viver mais confortavelmente. O outro Evangelho é aquele que
convoca ao arrependimento e à fé, que resultam em transformação de
dentro para fora, Este é caminho estreito, apelo para que se tome a
cruz (Mt 7:13,14).

George Muller, Cuidou de mais de 10,000 orfãos. Estabeleceu
escolas dominicais em todo o mundo que instruiram 150,000 crianças.
Publicou mais de 2 milhoes de livros e porções e panfletos. Foi
instrumental em passar 7,500 dólares para a obra de Deus,
principalmente para missões.

Alguem o perguntou como se explicaria tal sucesso para a glória do
Senhor. Ele explicou que um dia, morri. G. Muller morreu para si
mesmo, suas opiniões e preferências, por sua vontade, morreu para o
mundo, a aprovação ou condenação. “Tenho me esforçado para ser
aprovado por Deus.” (Vernon Grounds, Radical Commitment,
Mulnomah 1984, pp43,44).

III. Contextualização

Definição : Imutável verdade comunicada com sensibilidade.

Plantas fora do seu ambiente (contexto) não podem manter sua vida e
frutificação. As parábolas de Jesus mostra a importancia da semente
(a Palavra), o solo e o clima.

O mundo pós-moderno

B. Jo 1:1-18

v. 14 O logos se fez carne e habitou entre
nós…consequentement, vimos a sua glória, a glória como
do Unigênito, cheio de graçae verdade.

O Logos corresponde à racionalidade do universo na
maneira de pensar dos filósofos contemporâneos do
primeiro século. Hoje, a racionalidade de tudo que existe
permite as pesquisas e conclusões. Trata-se do mundo
inanimado. Jesus trouxe vida – “A vida estava nele e a vida
era a luz dos homens. A luz resplandece nas trevas, e as
trevas não prevaleceram contra ela.

Antes da Renascensa, a rainha do conhecimento humano
era a teologia. A verdade era aquela que a Igreja ensinava.
Hoje, temos apenas opiniões teológicas e certeza acerca
da ciencia.

4. Um homem veio como testemunha para testificar a
respeito da luz.
5. Jesus é a verdadeira luz que, vinda ao mundo, ilumina a
todo homem. Contextualização de Deus que se revelou
no Filho.
6. Nicodemos – representa os judeus que creram (2;23s).
Questiona a possibilidade de Jesus pregar uma
mensagem falsa –
c. sinais – provas (como experiências no laboratório)
d. Jesus disse: somente nascendo do alto (vindo o
Espírito) e o arrependimento (água) seria possível ver
ou entrar no Reino.

O ministério da luz –no contexto do mundo.

6. Iluminar o vazio de uma vida voltada para o material.
“Não ameis o mundo nem as cousas que no mundo
estão…”1 Jo 2:15
7. Iluminar a verdadeira natureza do pecado – Meninger:
“Que aconteceu com o conceito do pecado?” Todo
aquele que pratica o mal aborrece a luz e não se chega
para a luz, a fim de não serem arguidas as suas
obras”Jo 3: 20
8. Iluminar o coração do homem que ama mais as trevas
do que a luz, “porque suas obras eram más”(Jo 3:19)
9. Ele “veio para o que era seu, e os seus não o
receberam” (Jo 1:11).

10. “Que pratica a verdade aproxima-se da luz, a fim de
que as suas obras sejam manifestas, porque feitas em
Deus” (3:21).

D. Dedicação à verdade –

“O malfazejo atenta para o lábio iníquo; o mentiroso inclina os
ouvidos para a língua maligna” (Pv. 17:4).

Jo 1:14 “A Palavra tornou-se carne e viveu entre nós. Vimos a
sua glória, a glória como do Unigênito vindo do Pai, cheio de
graça e de verdade”(hesedh e emeth). Jesus, o eterno LOGOS
se contextualizou entre nos e vimos sua glória, isto é, como viver
santo e piamente me uma sociedade corrupta e perversa.

João 8:31s (NVI), Disse Jesus aos judeus que havia crido nele,
‘Se vocês permanecerem firmes na minha palavra,
verdadeiramente serão mêus discípulos e conhecerão a
verdade, a verdade os libertará”.

Ef 4:15, “Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo
naquele que é a cabeça, Cristo”.

Marcos Camargo e Silva, ouviu um casal de missionários
canadenses perguntar, “Por que o brasileiro gosta tanto da
mentira?” Imediatamente percebi que a afirmação era muito forte
e que isso poderia, facilmente ser aplicado também para o
Canadá, para os EUA ou para qualquer oturo pais. …Depois de
cinco anos…Hoje, se você me perguntasse: “É verdade que o
brasileiro gosta da mentir?”eu lhe responderia que sim. Penso
que existe esta conivência maior com a mentira do que com a
verdade. Não podemos generalizar; muitos são sinceros e
respeitam a verdade”.

As proposições da Nova Era são que a verdade é relativa.
Tudo é uma manifestação de Deus.

O pos-modernismo tira sua inspiração de F. Nietzsche, que
achou que “linguagens de bem e mal” não tem raizes na verdade
e nem na razão mas na busca pelo poder. Fukuyama disse que
o declínio na moralidade tradicional se baseia no pensamento de
Nietzsche que a moralidade não é objetivo. Foi inventado para
encobrir as lutas pelo poder. Moralidade é socialmente
constituido.

O mundo de hoje: propaganda (desde os tempos de Hitler)
significa a busca pelo poder pela proclamação de meias-

verdades. Veja a natureza dos anúncios, mesmo em nossas
revistas evangélicas.

Notem a dificuldade que temos de cantar a verdade em
nossos corinhos, em nossas “entregas” – “Tudo a ti entregarei”.

Decretos da parte de líderes que depois de orar por um
doente, declaram que ele está curado. Ou como o caso recente
na igreja do Pr. Ouriel de Jesus, que convidou os membros da
igreja para a ressurreição dum defunto. Como nada milagroso
aconteceu, ele explicou que Jesus tinha mandado a alma voltar,
mas ele não quis.

Violência

Cinema e jogos empurram o conceito que a violência é o que há
de melhor no entretenimento. Desenhos para crianças usam a
violência para passar esta visão da realidade.

Michel Foucault até louvou violência irracional como um meio de
se libertar das regras impostas em prol da razão.

F. Schaeffer recomendou que nós empurremos os homens
modernos até as conclusões inevitáveis do seu pensamento. O
pos-modernismo foi demonstrado em Littleton, Co. com a morte
dos alunos da Columbine School.

Charles Colson nos relembra que nossa maneira de pensar tem
implicações.

Nos primeiros anos da vida confunde-se a imaginação com
a realidade. Um dos objetivos da educação é aprender a
distinguir entre a mentira e a verdade.

Scott Peck diz que quando os pais decepcionam os filhos
de maneira que estes não mais podem confiar neles, é comum
os filhos transferir a “figura do pai ou mãe” a outra autoridade.

Cria-se um mapa para a vida durante os primeiros anos de vida
pelo qual interpretamos o mundo ao nosso redor. Se não for
revisado, pode atrapalhar a capacidade de “ver” a realidade. Por
ser muito dolorido admitir que pais mentem, a criança desculpa
esse erro porque seria muito doloroso. A atitude resultante, é
não confiar nas pessoas.

O marido tem ciúmes exageradas da esposa ou vice versa
porque não se pode confiar na palavra do cônjuge.

Importante é ver a realidade sem transferências.

Os alicerces do Cristianismo que influenciaram o mundo
ocidental estão caindo e se desfazendo. Já passamos pelo
período do iluminismo e no meio do –post-modernismo com seu
ceticismo e insegurança. Nós nos identificamos com o mundo
moderno, suas bênçãos de mídia, carros, aviões, radio e TV,
publicações, etc. Como será nosso relacionamento como o
mundo pos-moderno?

O homem pos-moderno não está preocupado com a veracidade
de nossas afirmações, mas se funcionam. Não quer saber se os
fatos realmente aconteceram como a Bíblia afirma, mas se dá
para sentir melhor, se pode resolver os seu problemas. Já nós
nos acostumamos com a propaganda que faz declarações
falsas, tal como, “Este produto é o melhor do mundo” etc.

O problema de nos relacionar com o mundo ocorre quando sabemos
que somente conhecemos esse mundo por nossa interpretação. Os
herois do passado examinaram a si mesmos à luz das Escrituras e se
tornaram homens de olhos bons.

Paulo escreveu para os coríntios, “Examine-se para ver se vocês
estão na fé; provem a si mesmos. Não percebem que Cristo Jesus
está em vocês? A não ser que sejam reprovados! 2 Co 13:5 NVI

Mas é justamente a dor do auto- exame com verdade que
provoca o desejo da maioria de evitar esta abertura. Atitudes
defensivas mantém a ilusão interna que eu estou acima de críticas.

Pais, autoridades, donos de empreendimentos e muitos outros,
muitas vezes tem mentes fechadas para consigo mesmo.

A ordem bíblica é justamente, “Examinai-vos a vós mesmos se
realmente estais na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não reconheceis
que Jesus Cristo está em vós? Se não é que já estai reprovados.”(2
Co 13: 5).

Sem um auto exame verídico de quem nos somos, não podemos
ajudar os outros. A visão de Paulo no caminho de Damasco
desmascarou a ilusão de sua santidade, tornando o perseguidor cheio
de ciúmes e ódio em homem que mais bem fez o mundo (fora do
próprio Senhor). Veja Rom. 7 –

O avivamento no leste da África nos anos 30-50 criou um
abertura ao auto exame de acordo com a verdade. Se você vê alguma

coisa em mim que parece não condizer com uma vida realmente
cristã, por favor me fale”.

Muita coragem admitir erros e querer se arrepender “sou assim
mesmo” a mudar. Uma vida de honestidade total seria um alvo que
todo crente deve almejar. Alcançar transparência quer dizer
comprometer-se com a verdade, toda a verdade, especialmente
aquela que diz respeito a mim mesmo.

É o caminho único pelo qual podemos ouvir a voz do Espírito
(Jo 16:8-10) e buscar o perdão de Deus.

J. Stott disse a pastores, “É fácil exagerar, dar aos outros a
impressão que temos progredido mais pelo caminho estreito do que na
realidade temos andado. Devemos ter a honestidade de confessar a
verdade. Não podemos temer de dizer com o apóstolo, ‘Não que eu
tenha já recebido ou tenha já obtido a perfeição’” (Fp 3:12).

Hipocrisia foi o pecado que mais provocou a ira do nosso
Senhor. Colocou a bênção da porbreza de espírito como o primeiro
passo em possuir o reino dos céus.

K. Rahner, “A razão numero um pela existência de ateísmo são
os cristãos. Aqueles que proclamam Deus com a boca e negam com
o estilo de vida é o que um mundo incrédulo acha incrível”(Chty
Today, 14 de maio, 1990, p. 33).

A solução – 1 Jo 2:15-17

1. Não amar o mundo, nem as coisas que estão no mundo –

2.Buscar em primeiro lugar o reino de Deus e sua justiça

3. Valor do reino em contraste com o valor das coisas deste
mundo

Jo 15: 1-16

Videira Verdadeira

Conexão entre o agricultor e a videira e os ramos – viva

1. Ramos que produzem fruto – corta/limpa para que produza
mais fruto.

Pr. Khoo, capelão do presídio de Singapura, convidado para
estar com o bandido mais perigoso do país. “Jesus te ama, e eu
te amo”.

E. Stanley Jones conta:

Dois irmãos, filhos de pastor coreano, levados para tribunal e
acusados de pregar. Evangelho. O mais velho pregou
veementemente e foi fuzilado. “Pai perdoa-os…”

O irmão novo disse, “Acredito integralmente naquilo que meu
irmão acreditava…

Disseram – Você é pior do que seu irmão. Mataram.

O pai, pastor caminhou 70 kms ara essa cidade. O governo tinha
mudado. “Não processe o líder que executou meus filhos, eu me
responsabilizo pela sua conduta. Levou para sua casa. Muitos
se convertera..

Os comunistas voltaram a invadir aquela região e tomaram preso
aquele pai. Cantava e pregava. Mandaram-no calar-se.
Respondeu: “Meu coração está feliz e não pode calar.’ Bateu nos
lábios dele – não podia comer. “Não posso comer minha comida
fica para vocês, assim podem melhor servir à Coréia. Mas ele
melhorou e recomeçou a cantar e pregar através das grades. Foi
condenado a morte. “Vamos mostrar como sabemos morrer.
Cantava enquanto chegava ao local da execução.

E. Stanley Jones, “Ganhou a força, eles foram emudecidos pela
morte, mas suas almas continuam marchando e em qualquer
parte em que a fé e o heroísmo são respeitado, esta história será
contada.”

Conclusão:

Rick Warren em seu livro, Uma Igreja com Propósitos, 355-372.
Diz, “Quando descobri que a maior queixa dos não crentes na minha
área eram sermões chatos e irrelevantes, decidi que era melhor eu
reexaminar seriamente outra pregação. Analisei dez ano de sermões e
me fiz uma pergunta: Esta mensagem faria sentido para uma pessoa
sem igreja?

1. Adapte o seu estilo à sua audiência. O denominador que temos em
comum com os não crentes não é a Bíblia, mas as necessidades,
sofrimentos e interesses como seres humanos.
2. Torna a Bíblia acessível aos não crentes. Os não crentes
normalmente se sentem intimidados pela Bíblia.
3. Dê um esboço com textos bíblicos. Muitos não tem Bbíblia ou não
conhecem. Evite o constrangimento de encontrar textos e ganha
tempo.
4. Títulos como mensagens nas Seleções – que apelam para as
necessidades humanas, conflitos e interesses.

5. Pregue série de mensagens com movimento.
6. Planejar cultos para não crentes e para crentes – Willow Creek é
exemplo .

Olhar para o futuro com antecipação e ver os resultados esperados.
Visão estreita visa o bem-estar de nós mesmos em primeiro lugar,
então os mais amados membros de nossa família, entào o círculo de
nossos amigos, nossa cidade, país, e finalmente – o mundo.

A. A Visão de Deus, de Cristo, e dos Apóstolos

A visão de Deus se concretizou na criação em prol do homem.
Antes da fundação “criação” ele nos escolheu em Cristo antes da
fundação do mundo (Ef 1:4) . a adoção de filhos foi visto como a
multiplicação de “filhos”amados como seu eterno filho – Ef 1:5;
Rm 8: 29,30.

1. Amou a o mundo e condenou o mundo. Jo 3:16 e 18-20.
2. Amor pelo mundo (pessoas) significa vê-los como
preciosos aos olhos de Deus.
3. Jesus Cristo amou o mundo até o ponto de se entregar por
ele – Rm 8:32.

E. Stanley Jones, “Este problema escuro, de sofrimento
imerecido, se ilumina quando vemos o que aconteceu na cruz.
Jesus não carregou a cruz – Ele a usou. A cruz era pecado e
Ele transformou em cura para o pecado; a cruz era ódio e Ele
transformou-a em a manifestação do amor de Deus. A cruz
mostrou o homem na sua condição pior e ali Jesus demostrou
Deus no seu melhor condição remidora. A palavra mais cruel,
escura que a vida jamais pronunciou foi na cruz; Jesus tomou
toda essa crueldade da escuridão e as transformou em amor
puro e luz… Que iluminação ela lança sobre a trag/edia da
vida, ao encontrar tal fato no centro de nossa fé”( citado por
Ajith Fernando, A Supremacia de Cristo, Crossway Books,
Wheaton, IL 1990).

4. Paulo amou o mundo até o ponto de se oferecer– Rom 9:3
5. Visão global – amor sacrificial com intensidade igual ao
amor que temos pelos filhos, esposa ou marido ou pais.

6. Paulo disse, “Em nada considero a vida preciosa para mim
mesmo, contanto que complete a minha carreira e o
ministério que recebi do Senhor Jesus para testemunhar o
evangelho da graça de Deus. Agora, eu sei que todos vós,
em cujo meio passei pregando o reino, não vereis mais o
meu rosto” (At 20:24,25)
7. A visão desse reino não se restringia ao leste do império.
“Esforçando-me, deste modo, por pregar o evangelho, não
onde Cristo já fora anunciado, para não edificar sobre
fundamento alheio; antes, como está escrito; Hão de vê-lo
aqueles que não tiveram notícia dele, e compreendê-lo os
que nada tiinham ouvidoa seu respeito.

A Visão emana do Coração de Deus Pai e é proclamado por Jesus
Cristo:

A. Geograficamente – Ide e fazei discípulos – em todo o mundo
– China, Vitnam, Mongólia, Nepal (400,000 cristãos). Dr.Thomas Hale
E Cynthia nos anos 60-90.

B. Antropológiamente ou etno-linguisticamente – (não
politicamente como a Igreja Católica visionava depois de
Agostinho). David and Helen Ekstrom; Marilyn Lazlo
C. Dinâmicamente –todo poder nos céus e na terra me foi dado e
eis que estou convosco. Cavaleiro de Apoc. 6:1
D. Estrategicamente – planos bem definidos.

Discípulos escolhidos – Jo 15:16

Preparados – Mt 4:19 Mc 3:14,15

Enviados – Jo 20:21

Estratégia – batismo –matricula

Ensino de tudo que vos tenho ordenado

E. Com motivação

Quando se perde a visão – a opção é a morte” Spencer Duncan

Pv. 29:18 Sem visão o povo perece. Por que?

1. Falta o incentivo especial que é a fé – Hb 11
2. Sem fé, não se dá, não se arrisca, não se investe.
3. Sem expectativa não se planta, não se evangeliza, nas
planta igrejas. * Tissa Weerasingha.
4. Princípio de liderança – para motivar outros precisa se
motivar a si mesmo. Chs. Tremendous Jones, “Se não
vender uma apólice numa semana compraria um

* os morávios de Herrenhut e o Conde von Zinzendorf.

* Adoniram Judson

* David Brainerd – 19 de abril, Eu separei este dia para
jejuar e orar a Deus pela Sua graça, especialmente para
me preparar para o trabalho do ministério, para que ele me
dê ajuda divina e direção nos meus preparativos para esse
trabalho grande, e em seu bom tempo me mandar para a
Sua seara.

Assim na manhã, me esforçando para rogar pela
presença divina durante o dia, e houve um pouco de vida.
Antes de meio-dia senti o poder para interceder por almas
imortais, preciosas, para o avanço do Reino de meu
amado Senhor e Salvador no mundo; e aconteceu que
houve a mais doce resignação e até consolação e alegria
nos pensamentos do sofrimento, tribulação e até a própria
morte na promoção de Reino. Tive um toque especial
rogando pela conversão dos pagãos. (J. Edwards, The Life
of David Brainerd, Vol VII, N. Haven, 1985, p 162.

* William Carey

* Jim Elliot

Com visão há possibilidade de enchergar os alvos.

1. O alvo de discipular todas as nações – Mt 24:14
2. Paulo – o Império todo – Rm 15:16ss.
3. Alvos – criam as pontes que ligam onde estamos para onde
estaremos ou onde iremos.

F. Integridade requer o equilibro na vida.
Dr. Peck escolhe este termo para descrever a necessidade de
manter os relacionamentos em tensão positiva.

1. Quando alguém tira vantagem de nós injustamente,
sentimos raiva ou ira. Ef. 4:26 “Irai-vos e não pequeis, não se
ponha o sol sobre a vossa ira.”

a. Paulo se irritou com a insistência de Barnabé de
levar João Marcos na Segunda viagem

missionária – Atos 15. Em Cl 4:10, Paulo
recomenda Marcos e mostra completa aceitação
do jovem.
b. Paulo condenou Pedro e Barnabé no caso da
dissimulação dos irmãos vindos de Jerusalem a
Antioquia (Gl 2: 11-14). O motivo da reação
exagerada foi “a verdade do evangelho” (Gl 1:8;
2;11-14) estava em jogo.

Mas no caso de irmãos que queriam suscitar dores para Paulo, preso
em Roma, ele disse, Que importa? Uma vez que Cristo, de qualquer
modo, está sendo pregado, quer por pretexto, que por verdade,
também com isto me regozijo”(Fp 1:18).

A nova realidade do Espírito afirma o derramamento do Espírito
sobre toda carne – Atos 2 : 17-18 “e eles profetizarão”.

A nova realidade da Reforma iniciado por Lutero foi a verdade
bíblica que todos são sacerdotes santos na nação santa de Deus )1
Pe 2:5, 9) e Ap 1: 6 e 5:10. O profeta tem a responsabilidade de ver o
que está errado e corrigi-lo. O sacerdote tem a responsabilidade de
oferecer perdão e reconciliação.

Quem não internaliza esta atitude de flexibilidade,
pode ser rapidamente destruido pela força do legalismo, pela rigidez e
pela rejeição. Não são pacificadores que Jesus disse são bem-
aventurados?

Prontos para perdoar –

Nosso modelo: Jesus era Profeta e Sacerdote.

A.W. Tozer, “Aceitar Cristo” significa conhecer o significado das
palavras de 1 João 4:17b, “segundo ele é, também nós somos neste
mundo”. Aceitamos Seus amigos como nossos amigos, seus inimigos
como nossos inimigos, seus caminhos como nossos caminhos, sua
rejeição como nossa rejeição, sua cruz como nossa cruz e a sua vida
como nossa vida, e o seu futuro como nosso futuro. (Concepções
Erradas – as booby traps do Demonio, p. 8).

Robt. McCheyne, “Não são grandes talentos que Deus se empenha
em abençoar mas a grande semelhança a Jesus. Um pregador santo
é um instrumento ou arma terrivel na mão de Deus.”

Parabolas mostram como Deus espera que aprendamos 1) adiar a
gratificaçao

2) Abraçar a Responsabilidade 3) ter um compromisso com a verdade
4) manter o equilibrio

I. O filho pródigo não adiou a gratificação – aprendeu com
pobreza, fome, humilhação. A cura do defeito foi por intermédio
da graça do pai. Perdão é essencial na cura dos defeituosos se
arrependeram de verdade.

O Síndrome do Irmão Mais Velho

Rejeita a graça de Deus – significa (para ele) negação da
justiça de Deus

Não aceita a bondade do Pai – “criança na loja de
brinquedos antes do Natal”

Tem espírito de escavidão – Rm 8:14,15

Raciocina que perdoar produz mais pecado – Rm 6

* O “irmão da fé”, Gerardo nas prisões de Cuba.

Aceitar o pecador significa que rejeitar o justo – Farisaismo

Ignorante de si mesmo – “Nunca quebrei nenhum dos teus
mandamentos”(Fp 3)

Disciplina na Igreja – para o bem do disciplinado e da igreja

Divisões na igreja – tolerância vs. Intoleranci

O grande devedor de Mat. 18 que não aprendeu nada com o
perdão da dívida de 174 toneladas de prata ou ouro. Não alcançou
seu caráter.

II. Lc 16: 1- O mordomo foi irresponsável aprendeu com a ameaça
da demissão. Logo se mostrou arrependido, oferecendo aos
devedores parte de seu lucro para poder viver com dignidade no
futuro.

Tornou-se responsável – compara o v. 9, a lição que Deus quer passar
para nós. Adiar a gratificação (noc céu e cumprir sua reponsabilidade
com seu patrão).

Paulo convenceu os seus seguidores de sua responsabilidade –
Por isso irmãos de filipos decidiram enviar dinheiro para ele. Ele
não pediu, mas a transparência de sua vida e atitude atraiu
dinheiro para ele – Fp 4: 11

Cherian Tharakkan do UAE comentou recentemente que na
contribuição para algum ministério temos a responsabilidade de
assegurar que os fundos sejam bem empregados. Dinheiro
enviado para alguns (tele-evangelistas como Jimmy Swaggart;

Baker e outros) falta a prestação de contas. Entregar os dízimos
para a igreja local que desperdiça

Paulo disse que não desejava o dinheiro mas o fruto (4:17).

Compromisso com a verdade – Mt 13:44 “O reino dos céus é
semelhante a um tesouro oculto no campo, o qual certo homem,
tendo-o achado, escondeu. E, transbordante de alegria, vende tudo o
que tem e compra aquele campo”.

1. O tesouro é Cristo.

Malcolm Muggeridge – “Creio que posso me considerar um homem
relativamento bem suscedido. As pessoas, as vezes olham para mim
na rua – isso é fama. Posso ganhar o suficiente, sem muito esforço
para ser incluido no topo da lista da Receita Federal – isso é sucesso.

Se tiverem dinheiro e um pouco de fama, até os mais idosos, se
é que se importam com isso, podem tomar parte das diversões da
moda – isso é prazer. Pode ser, uma vez ou outro, algo que tenho dito
de nota, ou escrito, fosse suficientemente importante, de modo que eu
tenho persuadidoa mim mesmo de que tal coisa representava um
impácto sério para nossa época – isso é realização.

Apesar disso tudo, se esses triunfos pequeninos fossem
multiplacados por um milhão, e somados todos junto, nada seriam –
menos do que nada, seriam um obstáculo positivo – se comparados a
um gole daquela água via que Cristo oferece aos espiritualmente
sedentos, independentemente de que ou o que sejam. (em J.
Gladstone, Living With Style, Welch, 1986, p 85).

IV. Equilibro

A. Mt 13:24-30 A parábola do joio –

A boa semente semeado no campo foi semeado pelo Senhor.
Mas um inimigo veio enqanto os servos dormiam e lançou joio no
meio do trigo.

“Quere que vamos e arranquemos o joio”? (v. 28). “Deixa-os
crescer junto até a colheita, e, no tempo da colheita, dizei aos
ceifeiros, ajuntai primeiro o joio, atai-os feixes para ser
queimado; mas o trigo recolhei-o no meu celeiro. Vv. 29,30.

A interpretação de Jesus:

1. O que semeia é o Filho do Homem.
2. A semente boa – os filhos do reino.
3. O campo é o mundo.

4. O joio são os filhos do Diabo. Pois assim como o joio é
colhido e lançado no fogo, assim será na consumação
do seçulo. Mandará o filho do Homem os seus anjos que
ajuntarão do seu reino todos os escândalos e os que
praticam a iniquidade e os lançarão na fornalha acesa.
Ali haverá choro e ranger de dentes. Então os justo
resplandecerão como o sol, no reino do seu Pai. Vv. 40-
43.

III. Unção
A. Unção refere ao poder do Espírito para influenciar as pessoas
1. A unção de João Batista – cheio do Espírito desde sua
concep- ção.
2. A unção de Jesus após Seu batismo com o Espírito.
3. Jesus o batizador

B. A Natureza do Espírito
1. Santo – Deus conosco
2. Mestre – Jo 14-16
3. Encorajador – Paracletos
4. Poder – dunamis – At 1:8; 4:31
5. Adoração – Jo 4:24; 7:37-39; Ef 4:18,19

C.A Busca pela Unção – Atos 4:31ss.
1. Glorifica a Jesus cristo, portanto buscar Sua gloria;
Sendo o Espírito, santo, a busca pela santidade é o
caminho seguro(1 Pe 1:15,16).* Andrew Murray – “Ele
prega somente metado do que ele vive”.
2. Confissão de pecado e humilhação profunda – Erlo
Stegen
3. Amor – 1 Co 13: 1-4

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s