A diferença entre liberal, conservador e reacionário


“Reacionários não são conservadores. Essa é a primeira coisa a entender sobre eles”, afirma Mark Lilla, no recém-lançado The shipwrecked mind: on political reaction

HELIO GUROVITZ
30/10/2016 – 10h00 – Atualizado 31/10/2016 16h13

Falar em “revanche da direita” se tornou o maior lugar-comum da análise política contemporânea. A saída do Reino Unido da União Europeia, a ascensão de populistas e fascistas naquele continente, a irrupção de Donald Trump nos Estados Unidos e até a derrocada do PT no Brasil costumam ir para o mesmo balaio, que ainda atribui a crise econômica ao fracasso da globalização, das elites, das grandes corporações e da “mídia”. Rótulos como “neoliberal”, “conservador” ou “reacionário” são usados para qualificar tudo o que entra nesse balaio – como se fossem sinônimos. A tal “direita” reúne gente tão díspar quanto Gustavo Franco, Silas Malafaia ou Jair Bolsonaro. Verdade que os três se opõem, cada um a seu modo, ao socialismo. Mas a semelhança acaba aí. Que significado podem ter categorias como “direita” ou “esquerda”, usadas em contexto ora econômico, ora político, ora religioso, ora comportamental? Elas se tornaram tão vagas e imprecisas que desnaturaram. Na prática, é impossível entender a política usando termos tão abrangentes. No Brasil, apenas agora o espaço reservado à “direita”, maculado pela ditadura militar, começa a ser ocupado de modo explícito. Na Europa e nos Estados Unidos, tal terreno passou a abrigar o nacionalismo populista dos “perdedores da globalização”, o resgate de valores religiosos e comunitários esquecidos pelo discurso científico-tecnológico e a rebelião contra imigrantes e grupos identitários, reunidos sob a alcunha genérica de “tirania do politicamente correto”. Emergiu dessa mistura uma figura que andava adormecida: o reacionário.

“Reacionários não são conservadores. Essa é a primeira coisa a entender sobre eles”, afirma o historiador Mark Lilla, da Universidade Colúmbia, no recém-lançado The shipwrecked mind: on political reaction (A mente náufraga: sobre a reação política). “Eles são, a seu modo, tão radicais quanto os revolucionários e tão firmemente presas de imagens históricas.” Enquanto o revolucionário busca a redenção numa ordem ideal futura, trazida pela destruição das estruturas em vigor, o reacionário a encontra num passado idílico, perdido por culpa da traição de intelectuais, jornalistas, políticos – em suma, das elites. O revolucionário é movido pela esperança numa idade das luzes; o reacionário, pelo medo de uma era de trevas. Enquanto a esperança pode ser frustrada, escreve Lilla, “a nostalgia é irrefutável”. Daí o apelo da mentalidade reacionária num período de frustração e esperanças perdidas. A “nova reação” saiu das redes sociais para as ruas e para as urnas, do vitupério escatológico de pregadores digitais para os atentados terroristas do Estado Islâmico, dos memes racistas e antissemitas da “alt-right” para o comando da candidatura Trump. “Islamistas políticos, nacionalistas europeus e a direita americana contam a seus filhos ideológicos essencialmente a mesma história”, diz Lilla. “A mente do reacionário é uma mente náufraga. Onde outros veem o rio do tempo fluir como sempre fluiu, o reacionário vê os restos do paraíso passar diante de seus olhos.”

Houve, no século XX, duas respostas antagônicas às revoluções da esquerda. De um lado, a escola austríaca, de Ludwig von Mises e Friedrich Hayek, alertava para o risco representado pelo Estado à liberdade individual.  Acreditavam no progresso e na razão. Suas ideias estão, em versões mais ou menos extremas, na alma dos liberais contemporâneos (chamados “libertários” nos Estados Unidos, onde o adjetivo “liberal” tem outra conotação). De outro lado, pensadores como Eric Voegelin e Franz Rosenzweig criticavam a perda de referências no mundo moderno. Deram voz tanto ao sentimento conservador (que busca “conservar” valores culturais, religiosos e familiares) quanto ao apelo reacionário (que busca voltar a um passado anterior não apenas à fantasia marxista, mas até ao Iluminismo e ao Renascimento, conspurcadores da comunhão com o divino).

O personagem mais influente na política recente, diz Lilla, foi outro: o filósofo Leo Strauss. Ele promoveu o improvável casamento de ideias liberais e conservadoras, entre a liberdade individual e o sentimento religioso, expurgado da poeira reacionária. São filhos intelectuais de Strauss a National Review de Ronald Reagan e os “neocons” de George W. Bush. Nada mais distante dele que Trump. Onde Reagan trazia otimismo com o futuro (“é sempre manhã na América”), Trump quer voltar ao passado (“torne a América grande de novo”). Com erudição, Lilla ajuda a entender essa e outras diferenças no balaio da “direita”. Fundamental, aqui no Brasil, para quem se diz de “esquerda” e ainda confunde liberais, conservadores e reacionários. E também para quem se reúne sob a tenda crescente da “nova direita”. A estes, o livro de Lilla traz ainda um alerta: cuidado com quem você vai para cama, ou pode acordar ao lado de um monstro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s