Estranho, muito estranho


Por Zé Maria (FUP)

Ao longo dos últimos 13 anos a categoria Petroleira, sob o comando da FUP, construiu um dos melhores acordos coletivos de trabalho do movimento sindical brasileiro. Talvez o melhor acordo de todo o mundo, no setor petróleo.

Foram conquistas que passaram por salários, vantagens, saúde e segurança, relações sindicais, benefícios, e ainda fomos além, conquistamos mudanças estruturais na relação entre o Capital e o Trabalho, tais como Regramento de PLR, Plano de Cargos e Salários, Acordo de Obrigações Recíprocas, Avanço de Nível Automático e a validade dos nossos acordos por 2 anos.

Hoje o petroleiro (a) mais atento, e desprovido de interesses políticos imediatos, sabe muito bem o quanto conquistou ao longo dos últimos anos, e o quanto a sua vida melhorou em sintonia com a melhoria de vida do povo Brasileiro.

Nossa Federação sempre se pautou pela máxima “Mobilizar e Negociar”, buscando em mesa de negociação a solução dos impasses que se apresentavam.

Na atual negociação do Termo aditivo ao Acordo vigente, antes de entrarmos em greve, enviamos para a Petrobrás uma carta no dia 22/12/2016, onde informamos a rejeição à atual proposta e nos colocamos abertos a retornar à mesa de negociação para continuar as tratativas negociais. No mesmo dia porém, a Petrobrás nos enviou um documento reafirmando a sua proposta e, para nossa surpresa, no mesmo dia, solicitou mediação ao TST, para solucionar o impasse.

 

Ora, o que levou a Petrobrás a buscar a justiça para tratar de reajuste salarial de seus empregados? 

O que está por trás de tal intenção? 

Será que Pedro considera todos os seus negociadores (inclusive ele) incompetentes? 

Estaria Pedro preocupado em restabelecer o poder de compra de seus “colaboradores”? 

Não foi Pedro que disse que os Petroleiros tiveram reajustes generosos ao longo dos últimos anos, e que, portanto, têm gordura para queimar? 

Por que a pressa Pedro? Estaria o amigo de Pedro armando alguma arapuca no TST para os Petroleiros (as), como em 95?

 

As respostas às perguntas acima só a alta administração da Petrobrás poderá dar.

No entanto, a FUP reafirma que a busca para a solução dos impasses está na mesa de negociação, pois trabalhadores e RH já estão maduros o suficiente para encontrar os caminhos do acordo.

Para Pedro, Pedro para!

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s