Namorando uma mulher, Monique Evans revela que foi abusada pelo primeiro marido na adolescência


A trajetória da ex-modelo e apresentadora é repleta de dramas, como um abuso sexual na adolescência, tentativas de suicídio e um câncer. Nesta entrevista definitiva, ela conta como sobreviveu aos traumas e redescobriu o amor e o sexo nos braços de uma mulher

"Quem vive a minha condição [Monique sofre do transtorno de personalidade borderline] nunca vai poder dizer: 'Sou totalmente feliz'."  (Foto: Daryan Dornelles)“QUEM VIVE A MINHA CONDIÇÃO [MONIQUE SOFRE DO TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE] NUNCA VAI PODER DIZER: ‘SOU TOTALMENTE FELIZ’.” (FOTO: DARYAN DORNELLES)

Monique Evans poderia ser hoje a “rainha dos baixinhos”, não fosse uma reviravolta do destino. Em 1983, a extinta TV Manchete procurava uma apresentadora para comandar o Clube da Criança – programa infantil que ocuparia as tardes da emissora. Aos 27 anos e no auge da beleza, ela foi aprovada nos testes por um diretor do canal. “Meses depois, esse cara morreu e o que assumiu me trocou pela Xuxa. Mas tudo bem, virei ‘rainha dos altinhos’…”, diz Monique. Ainda que seja em tom de deboche, faz sentido a maneira como se autointitula a ex-modelo, ex-passista do Carnaval, atriz e apresentadora. Aos 59 anos, sua trajetória só poderia ser contada em um programa para maiores, de preferência veiculado na madrugada.

Por trás do sotaque carioca carregado, das piadas autodepreciativas e da gargalhada escandalosa, há uma mulher cheia de traumas. Os maiores são um abuso sexual sofrido no início da adolescência (nesta entrevista, ela revela pela primeira vez que se casou com o abusador anos depois), crises de depressão profunda e sucessivas tentativas de suicídio. Na última delas, em outubro de 2013, foi diagnosticada com o transtorno de personalidade borderline, síndrome caracterizada por emoções extremas como ataques de pânico, surtos de raiva, medo do abandono e comportamento autodestrutivo. Monique acrescenta na lista um “bloqueio” que sempre a impediu de se sentir amada. Sobretudo pelos ex-maridos, os empresários Oswald Evans e José Clark, o ex-modelo Pedro Aguinaga e o publicitário Guga Sander. Aguinaga e Clark são pais de seus dois filhos, Armando Aguinaga, 37, e Bárbara Evans, 24.

Em tratamento psiquiátrico, ela conta que agora está em um “bom momento”. Especialmente no campo amoroso. Há 11 meses, namora Cacá Werneck, 31, DJ carioca que conheceu por meio de amigos em comum no Facebook. As duas já dividem o mesmo teto, numa casa de vila charmosa em Ipanema, com três cachorros e dois gatos. “Nunca havia me envolvido com uma mulher. Jamais imaginei que teria os melhores orgasmos da minha vida com quase 60 anos!”, comemora a “titia”.

Em entrevista exclusiva à Marie Claire, ela fala sobre a redescoberta da sexualidade, a relação complicada com os filhos e descreve com franqueza corajosa os piores momentos de sua saga. Confira a seguir alguns dos principais trechos da conversa. A íntegra estará na edição de setembro da revista, que chega às bancas na sexta-feira (28)

MARIE CLAIRE Você foi a primeira rainha de bateria a exibir os seios no Carnaval, uma das primeiras a ter um programa de sexo e agora assume o romance com uma mulher. Está à frente do seu tempo?
MONIQUE EVANS Chegaram a me comparar com a Leila Diniz quando mostrei o peitão e o barrigão na Sapucaí [Monique desfilou nua e grávida de sete meses da filha, Bárbara, em 1991]. Sempre fiz o que tive vontade e aí acham que tenho esqueletos no armário. “Nossa, se ela é capaz de tudo isso, imagina o que não faz em segredo?” Mas não, gente, é só isso. Os outros é que são hipócritas. Mantêm casamentos de fachada e têm amantes por aí. Eu não, sempre fui uma mulher fiel.

Nunca havia me envolvido com uma mulher. Jamais imaginei que teria os melhores orgasmos da minha vida com quase 60 anos!”
Monique Evans

MC Já havia se envolvido com outras mulheres?
ME Nunca! Até meu perfume era masculino, porque não gostava de cheiro de mulher em mim [risos]. Conheci a Cacá pelo Facebook no ano passado. Conversávamos bastante pelo chat, depois nos encontramos pessoalmente e nos tornamos amigas. Mas só comecei a sentir algo diferente por ela quando me visitava no hospital [em agosto de 2014, Monique estava deprimida e se internou em uma clínica de reabilitação]. Cada vez que ia me ver, os outros “doidinhos” ficavam agitados, querendo saber quem era minha amiga gostosona. Ficava com ciúmes, mas não entendia o motivo… Não me apaixonei por uma mulher, me apaixonei pela Cacá, por essa coisinha que me ama e cuida de mim. Tem um peitão lindo, é vaidosa e cheirosinha. Mas usa cueca boxer e tem um lado masculino de carregar minha bolsa, abrir a porta do carro e puxar a cadeira no restaurante.

MC E na cama?
ME Quando começamos a transar, deixava que a Cacá conduzisse tudo, já que não tinha experiência com mulher. Aos poucos, me soltei e fiquei menos passiva. Repetia nela tudo o que fazia em mim. Outro dia, ela me contou que nunca havia sido penetrada porque sempre foi a ativa com outras namoradas. Estamos juntas há 11 meses e agora não tem essa de “a ativa” e “a passiva”. Fazemos sexo de várias formas. Meus orgasmos sempre foram clitorianos, por isso, em várias vezes em que fui para a cama com homens, não gozei. Eles eram apressadinhos, não davam importância para as preliminares. Com a Cacá é um festival deles! Nunca imaginei que teria meus melhores orgasmos a essa altura da vida…

Monique Evans posa ao lado da namorada: "Não me apaixonei por uma mulher, me apaixonei pela Cacá, por essa coisinha que me ama e cuida de mim" (Foto: Reprodução Instagram)MONIQUE EVANS POSA AO LADO DA NAMORADA: “NÃO ME APAIXONEI POR UMA MULHER, ME APAIXONEI PELA CACÁ, POR ESSA COISINHA QUE ME AMA E CUIDA DE MIM” (FOTO: REPRODUÇÃO INSTAGRAM)

MC Foi difícil contar sobre o namoro para seus filhos?
ME Minha nora [Lucia Davila, mãe da única neta de Monique, Valentina, 7 anos] foi a primeira a saber. Pedi que intermediasse a conversa com o Armando, pois temia a sua reação. Ela contou e, no dia seguinte, recebi um torpedo supercarinhoso do meu filho, dizendo que só queria minha felicidade, não importava com quem… [nesse momento, Monique fica com a voz embargada e chora]. Para a Bárbara nem precisei contar. Ela me via ao lado da Cacá o tempo todo e tirava sarro. “O que é isso, mãe? Virou sapatão agora?” [risos]. Na verdade, não sei responder a essa pergunta. Não sei mais se sou hétero, bi ou se sempre fui gay e não sabia…

Não sei mais se sou hétero, bi ou se sempre fui gay e não sabia…”
Monique Evans

MC Está mais feliz agora?
ME Quem vive a minha condição [Monique sofre do transtorno de personalidade borderline] nunca vai poder dizer: “Sou totalmente feliz”. A Cacá me faz bem, a relação com meus filhos está bacana e estou me tratando com os remédios certos e fazendo terapia. Tenho altos e baixos. Há dias em que me deprimo, só tenho vontade de dormir. E a velha vontade de morrer que me acompanha volta com tudo.

MC Qual o pior momento que enfrentou por causa da doença?
ME Não houve um pior momento, foram vários. Sou border desde sempre, mas só fui diagnosticada há dois anos, depois de tentar me matar, sei lá, pela milésima vez… Fui internada por 15 dias, após tomar uma cartela de calmantes [em outubro de 2013, foi a primeira passagem de Monique por uma clínica psiquiátrica].

MC Você é religiosa?
ME Tornei-me evangélica há uns 15 anos. Estava na academia e recebi um folheto da Bola de Neve [igreja neopentecostal fundada por pastores surfistas no início dos anos 90]. Os cultos eram pequenos, aconteciam em uma oficina de pranchas de surfe, com uma galera jovem. Lá descobri que tenho o dom de interpretar bem a Bíblia. Cheguei a dar testemunhos e quase virei pastora. Fui também aos cultos da Igreja Batista e da Sara Nossa Terra. Mas notei que, todas as vezes em que estava na pior, deprimida e tentando me matar, nenhum pastor ou irmão da igreja me visitava. Agora, estou em pecado porque vivo uma relação homossexual.

MC Acha que é pecado?
ME Sei que Deus vai me cobrar por ter me apaixonado pela Cacá. Assim como me cobrará por outros pecados. Sou egoísta, invejosa…

MC Por que ainda usa o sobrenome do seu primeiro marido [o empresário Oswald Evans]?
ME Quando comecei a ficar famosa, estava casada com ele. Nos separamos um tempo depois que estourei e, se trocasse o sobrenome naquele momento, ia atrapalhar minha carreira. Logo depois o mataram e ainda tive que reconhecer o corpo no necrotério… [Oswald foi assassinado a tiros durante um assalto, em 1977].

RECOMENDADO PARA VOCÊ

  • STRAR.COM.BR

    Ar Condicionado Split … 1.199 R$ A linha de ar-condicionados Max Plus da Samsung permite que você desfrute de f…

    1.199 R$

    CLIQUE AQUI

  • STRAR.COM.BR

    Ar-Condicionado Janela… 1.399 R$ O Ar Condicionado de Janela Consul é super econômico e você não terá sustos na…

    1.399 R$

    CLIQUE AQUI

  • STRAR.COM.BR

    Kit de Instalação Ar S… 118 R$ CB – 0103 – Kit de Instalação para Ar Condicionado Split para equipamento de 700…

    118 R$

    CLIQUE AQUI

  • STRAR.COM.BR

    Ar-Condicionado Janela… 1.029,90 R$ O Ar Condicionado de Janela Consul é super econômico e você não terá sustos…

    1.029,90 R$

    CLIQUE AQUI

MC Impressão minha ou você não fala com carinho sobre ele?
ME Aconteceu uma coisa horrível quando eu tinha 14 anos. Uma amiga da Praia de Ipanema me chamou para almoçar com a família e, ao chegar lá, estavam apenas o namorado dela e outro rapaz. Eles deviam ter uns 16, 17 anos. Zombaram de mim de um jeito agressivo, dizendo que me viam no Posto 9 com uns biquínis escandalosos e que mulher que se vestia daquele jeito queria outra coisa… Então me atacaram. Não lembro ao certo o que fizeram, são apenas flashes que tenho na memória [Monique chora]. Sei que não houve penetração, mas passaram a mão pelo meu corpo, me mandaram fazer umas coisas neles… Um desses rapazes era o Oswald.

MC Por que se casou com ele?
ME O Oswald reapareceu uns seis anos depois. Pediu perdão e reconheceu o mal que havia feito. Foi um mal grande mesmo, porque minha vida sexual ficou um fiasco. Só tive coragem de transar pela primeira vez aos 18, com um namoradinho que estava comigo havia dois anos. Não deixava que me tocasse direito e às vezes chorava depois de ir para a cama com ele. E o Oswald voltou tão arrependido, queria cuidar de mim… Acreditei que, se aceitasse seu afeto, fecharia meu ciclo de sofrimento.

MC E fechou?
ME Ele quis casar direitinho, me dar uma vida boa, me deu um carro… Nosso casamento durou quase um ano e teve momentos bons. Mas não deu certo porque havia muita mágoa envolvida. O Oswald  acabou pagando pelo que fez. Mataram ele… Depois soube que o outro rapaz que abusou de mim também teve um fim trágico. Sofreu um acidente de carro, sei lá…

MC Nos casamentos seguintes, você teve filhos. Foi uma boa mãe?
ME Tentei ser uma mãe nota 10, mas meus filhos não acham. Fui ausente, principalmente para o Armando. Estava no auge quando ele era pequeno, viajava muito para desfilar. Quando voltava, o bichinho dormia agarrado comigo… Quando a Bárbara nasceu, deve ter se sentido mais abandonado ainda. Investi tanto no nascimento dela…

MC Em que sentido?
ME A Bárbara foi um bebê de proveta. Tinha 35 anos quando engravidei, o pai dela sofria de varicocele [dilatação das veias testiculares, que pode levar à infertilidade]. Nos amávamos, queríamos um filho, então procuramos uma clínica de reprodução. Os hormônios que tive que tomar nos três anos de tentativa eram caríssimos! Na época, eu tinha um bom dinheiro guardado e gastei tudo no tratamento.

MC Como é sua relação com a Bárbara atualmente?
ME Já foi mais complicada, mas melhorou. Ela é difícil. Não demonstra o quanto gosta de mim e eu sou louca por ela [Monique chora]! Somos a cara uma da outra, mas com personalidades opostas. Ela é mandona e eu sou cagona. Ela é pão-dura, enquanto eu sou mão aberta… Nunca tive pulso firme como mãe, deixei meus filhos fazerem o que queriam. Na verdade, acho que fui mais amiga do que mãe. Mas foi por causa deles que tive força para enfrentar o maior desafio da minha vida.

MC Qual?
ME Há 22 anos, surgiu uma mancha na parte interna do meu braço esquerdo, próximo ao seio. Era um câncer de pele, um melanoma nível 4, bem severo. Fiz uma cirurgia em que perdi muito tecido mamário. O Armando e a Bárbara eram crianças e eu só conseguia pensar: “Não vou morrer, tenho que criar meus filhos!”. Ninguém ficou sabendo, fiquei reclusa nessa fase.

MC Com o que mais sonha?
ME Em nunca mais ter depressão, em me curar completamente.

Confira a entrevista completa na edição de setembro da Marie Claire

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s