BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES


 

BALANÇO PATRIMONIAL:

é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade.

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL
ATIVO PASSIVO
EXIGÍVEL: OBRIGAÇÕES PARA COM TERCEIROS
BENS E DIREITOS PATRIMÔNIO LÍQUIDO
PARTE DOS SÓCIOS

PATRIMÔNIO: é o conjunto de bens, direitos e obrigações pertencentes a uma Entidade.

BENS: qualquer coisa que possa satisfazer uma necessidade do homem e que seja suscetível de
avaliação econômica (preço). Os bens se classificam em:


Tangíveis: que têm existência física. Ex. automóvel, dinheiro, casa, etc.

Intangíveis: são os chamados bens abstratos ou imateriais, não têm existência física. Ex.
marcas e patentes, direitos autorais, etc.
DIREITOS: são bens sobre os quais exercemos domínio, mas que estão sob posse de terceiros.
Aparecem no patrimônio como valores a receber (ATIVO).

Ex. clientes ou duplicatas a receber, títulos a receber, etc.

OBRIGAÇÕES: são bens que se encontram sob nossa posse, mas o domínio sobre eles é exercido por
terceiros. Aparecem no patrimônio como valores a pagar. Ex. duplicatas a pagar, títulos a pagar, etc.

ATIVO: conjunto dos bens e direitos de uma Entidade.

PASSIVO (exigível): representa o conjunto de obrigações perante terceiros.

PATRIMÔNIO LÍQUIDO: é a diferença entre o valor do Ativo e do Passivo (exigível) de uma entidade
em determinado momento, representa o registro do valor que os proprietários têm aplicado no
negócio.

PASSIVO (exigível): capital de terceiros.

PATRIMÔNIO LÍQUIDO: capital próprio.

PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO: indica a origem dos capitais ou recursos.

ATIVO: indica a forma de aplicação desses capitais ou recursos.

EQUAÇÃO FUNDAMENTAL DO PATRIMÔNIO: PL=A – P

Geralmente, na maioria das entidades, o Ativo suplanta o Passivo, a representação mais comum do
seu Balanço Patrimonial seria: A= P+ PL. Caso o Passivo supere o Ativo: A+ PL=P.

BALANÇO PATRIMONIAL

É a demonstração contábil que tem por finalidade apresentar a situação patrimonial da empresa em
determinado momento, e a sua composição e apresentação seguem o ritual definido pelo Conselho
Federal de Contabilidade e pela Legislação Comercial, quanto à sua forma e à necessidade de serem
elaborados por um profissional legalmente habilitado, para se ter credibilidade necessária junto aos
órgãos públicos, instituições financeiras e até mesmo aos fornecedores, e é composto pelas
seguintes peças:


Balanço Patrimonial

Demonstração de Resultado do Exercício
CURTO E LONGO PRAZO NA CONTABILIDADE

Normalmente, curto prazo em contabilidade significa um período de até um ano, longo prazo, por
sua vez, identifica um período superior a um ano.

ATIVO

A apresentação das contas do ativo em grupos obedece a uma ordem decrescente de grau de
liquidez, representando desta forma a maior ou menor facilidade com que determinados bens são
transformados e numerário.

ATIVO CIRCULANTE

Neste grupo são classificadas as contas representativas de:


Disponibilidade;

Caixa;

Bancos Conta Movimento;

Aplicações de Liquidez Imediata;

Direitos Realizáveis no Curso do Exercício Social;

Duplicatas a Receber;

Duplicatas Descontadas;

Provisão p/Devedores Duvidosos;

Títulos a Receber;

Estoques;

Aplicações de Recursos em Despesas do Exercício Seguinte

Seguros Pagos Antecipadamente;

Despesas Antecipadas.
ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO

As contas representativas dos bens de direitos realizáveis após o término do exercício seguinte e as
dos bens e direitos oriundos de negócios não operacionais realizados com coligadas, controladoras,
proprietários, sócios, acionistas e diretores.

Exemplos: Crédito com Controladoras, Crédito com Coligadas, Cauções Contratuais por

Serviços a executar de Longo Prazo.

ATIVO PERMANENTE

Compreende itens que dificilmente se transformarão em dinheiro, pois não se destinam a venda,
mas são utilizados como meios de produção ou meios para se obter renda para empresa, é
conhecido também como Ativo Fixo, pois seus valores não mudam constantemente, uma vez que a
empresa não compra nem vende esses bens com frequência. São bens com vida útil longa, sendo que

o Ativo Permanente divide-se em três grupos:
Investimentos – são aplicações que criam riqueza para a empresa, como por exemplo, a
compra de ações de outras empresas, obras de arte, imóveis de uso, compra de maquinas e
equipamentos para produção de bens, etc.
Imobilizado – são bens destinados à manutenção da atividade principal da empresa ou
exercidos com essa finalidade, portanto, os bens que auxiliam a empresa na consecução da

sua atividade e que pertencem ao Ativo Imobilizado, tais como – Veículos, Móveis e
Utensílios, Imóveis, Equipamentos, etc.
Diferido – são aplicações de recursos em despesas que contribuirão para a formação do
resultado de mais de um exercício social, sendo que um dos exemplos mais comum é as
despesas pré-operacionais, ou seja, (gastos antes da inauguração da empresa).

PASSIVO

A apresentação das contas do passivo em grupos obedece a uma ordem decrescente de grau de
exigibilidade, representando desta forma a maior ou menor facilidade com que determinadas
obrigações serão pagas.

PASSIVO CIRCULANTE

São as contas representativas das obrigações da empresa, inclusive financiamentos para aquisição de
Ativo Permanente com vencimentos até o término do exercício social corrente, tais como:


Empréstimos;

Debêntures;

Encargos Financeiros a Pagar;

Fornecedores;

Impostos a Recolher;

Salários a Pagar;

Provisões Diversas.
PASSÍVEL EXIGÍVEL A LONGO PRAZO

São as contas representativas das obrigações da empresa com vencimentos após o término do
exercício social seguinte, tais como:


Financiamentos;

Encargos Financeiros a Pagar;

Retenções Contratuais;

Resultados de Exercícios Futuros.
Não confundir com antecipações de clientes, as principais características deste grupo de contas são a
inexigibilidade para com terceiros e ser considerado como lucro de exercícios futuros, em função do
princípio contábil do regime de competência de exercícios, tendo como exemplo, alugueres
recebidos antecipadamente.
PATRIMÔNIO LÍQUIDO

Representa o registro do valor que os proprietários de uma empresa têm aplicado no negócio. As
aplicações dos proprietários normalmente são compostas do capital subscrito (assinado,
comprometido) e, por dedução, a parcela ainda não realizada (capital e Capital a Integralizar), mais
os resultados decorrentes das atividades da empresa (lucros ou prejuízos acumulados).

DEPRECIAÇÃO SOBRE ATIVO IMOBILIZADO

A maior parte dos ativos imobilizados tem vida útil limitada, ou seja, serão úteis à empresa por um
conjunto de períodos finitos, também chamados de períodos contábeis. À medida que estes períodos
forem decorrendo, dar-se-á o desgaste dos bens, que representam o custo a ser registrado.
O custo do ativo imobilizado é destacado como uma despesa nos períodos contábeis em que o ativo
utilizado pela empresa. O processo contábil para esta conversão gradativa do ativo imobilizado em
despesas chama-se DEPRECIAÇÃO. A depreciação é uma despesa porque todos os bens e serviços
consumidos por uma empresa são despesas. Poderá ser computada como despesa, em cada
exercício, a importância correspondente à diminuição do valor dos bens do ativo imobilizado
resultante dos resgates pelo uso, ação da natureza e obsolescência.
TAXA ANUAL DA DEPRECIAÇÃO
Para o cálculo da taxa anual de depreciação é necessário estimar a vida útil do bem, isto é, quanto
ele vai durar, levando em consideração as causas físicas (o uso, o desgaste natural e a ação dos
elementos da natureza) e as causas funcionais (a inadequação e a obsolescência, considerando o
aparecimento de substitutos mais aperfeiçoados). Então, a taxa de depreciação anual é estabelecida
em função do prazo de vida útil do bem a depreciar. Assim, se um bem pode ter a duração de cinco
anos, admite-se uma taxa anual de 20%, isto porque a taxa anual corresponde à divisão de 100% pelo
número de anos do prazo de vida útil do bem.
TAXAS DE DEPRECIAÇÃO ANUAL FIXADA PELA LEGISLAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA
Grupo de Bens do Imobilizado Taxa Anual Vida Útil
Edifícios e Construções 4% 25 anos
Instalações 10% 10 anos
Máquinas e Equipamentos 10% 10 anos
Móveis e Utensílios 10% 10 anos
Computadores e Periféricos 20% 05 anos
Veículos 20% 05 anos
Ferramentas 20% 05 anos
Estas demonstrações são reguladas pela legislação comercial e fiscal, havendo também normas
específicas, como as da Comissão de Valores Mobiliários, para as companhias abertas, do Banco
Central do Brasil para as instituições financeiras etc.
O BALANÇO GERAL de uma pessoa jurídica pode ser definido como: um conjunto de relatórios,
demonstrações e pareceres, visando avaliar, na data do encerramento do exercício ou de um período
intercalar, a situação da empresa. E deve ser constituído de:
• Relatório da Administração;
• Balanço Patrimonial;
• Demonstração do Resultado do Exercício;
• Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados que pode ser substituída pela
Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido;
• Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos;
• Notas Explicativas;
• Parecer dos Auditores Independentes;
• Outras demonstrações ou quadros analíticos necessários.
De acordo com a Lei nº 6.404/76, a empresas (S/A) eram obrigadas a publicar 04 (quatro)
Demonstrações Contábeis. São elas:
• Balanço Patrimonial;
• Demonstração do Resultado do Exercício;
• Demonstração de Origem e Aplicação de Recursos;
• Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados.
As Resoluções do Conselho Federal de Contabilidade legislam sobre as demonstrações financeiras
denominadas Balancete, Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado, Demonstração dos
Lucros ou Prejuízos Acumulados, Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido e
Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos.

No entanto, a Lei 6.404/76, sofreu atualização pela Lei 11.638/07, e as demonstrações contábeis
preparadas para serem divulgadas externamente passaram a ser:


Balanço Patrimonial;

Demonstração do Resultado do Exercício;

Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados;

Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido de forma facultativa;

Demonstração do Fluxo de Caixa;

Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos de forma facultativa;

Demonstração do Valor Adicionado para as companhias de capital aberto.
As demonstrações contábeis das companhias abertas (sociedades por ações) são obrigatoriamente
examinadas por auditores independentes.

PARECER DOS AUDITORES

As empresas de capital aberto, instituições financeiras e alguns outros casos específicos estão
obrigados a publicar a Demonstrações Financeiras com o parecer da Auditoria Externa. O auditor
emite sua opinião informando se as Demonstrações Financeiras representam adequadamente a
situação patrimonial e a posição financeira na data do exame. Informa se as Demonstrações
Financeiras foram levantadas de acordo com os Princípios Fundamentais de Contabilidade e se há
uniformidade em relação ao exercício anterior.

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

Índice de Liquidez Corrente – Mostra a capacidade da empresa em saldar suas dívidas de curto
prazo. Para efetuar o cálculo, divide-se o Ativo Circulante pelo Passivo Circulante. O resultado indica
quanto a empresa tem de recursos monetários para cada Real de dívida. O índice de liquidez
corrente deve ser calculado para vários anos, para que se adquira perspectiva histórica, e deve ser
comparado com outras empresas do setor.
Índice de Liquidez Geral – Mostra a capacidade da empresa em saldar suas dívidas de curto e longo
prazos. Sua fórmula consiste em dividir o Ativo Circulante + Exigível a Longo Prazo pelo total da
divida a curto e longo prazo.

Índice de Liquidez Seca – Mostra a capacidade de pagamento de passivos circulantes de uma
empresa sem depender da venda de estoques.
Indicadores de Endividamento – Mostram informações referentes à proteção dos credores contra a
insolvência e à capacidade de obtenção de financiamento adicional pelas empresas.
ou

Capital de Terceiros / Capital Próprio =
ou
Multiplicador de Capital Próprio =
Margem de Lucro – É uma medida do lucro em relação às receitas.
Retorno sobre Ativos – É uma medida de desempenho gerencial e é representado pelo quociente
entre o lucro e o ativo total médio, tanto antes quanto depois do imposto de renda. Assim, temos:
Retorno sobre o Capital Próprio – Este índice é definido pelo quociente entre lucro líquido e
patrimônio médio dos acionistas ordinários, e indica o retorno percentual sobre o Patrimônio Líquido
médio da empresa.
Giro do Ativo Total – Indica com que eficácia uma empresa está utilizando todos os seus ativos.
Empresas de capital mais intenso costumam apresentar índices mais baixos, face ao alto volume de
ativos investidos.
Í-

. =

/

.
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
Equipe de Professores da FEA/USP, Contabilidade Introdutória; 9º ed.: São Paulo: Atlas, 1998.
IUDÍCIBUS, Sérgio & MARION, José C., Contabilidade para Não Contadores; 1º ed.: São Paulo: Atlas,
2000.
MATARAZZO, Dante Carmine, Análise Financeira de Balanços: 6º ed.: São Paulo: Atlas, 2003.
Receita Operacional Total

NAKAGAWA, Masayuki, Introdução a Controladoria – Conceitos, Sistemas e Implementação; São
Paulo: Atlas, 1993.

ROSS, Stephen A., WESTERFIELD, Randolph W., JAFFE, Jeffrey F. – Administração Financeira –
Corporate Finance; São Paulo: Atlas; 2009

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s