Arquivo de julho, 2010

Ten Characteristics of a Good KPI

Posted in Sem categoria on 6 de julho de 2010 by editor master

Ten Characteristics of a Good KPI

By Wayne Eckerson, Director of Research, TDWI

There’s a lot of talk these days about key performance indicators (KPIs). They are the backbone of scorecards and dashboards, which have become an irresistible way for organizations to present performance information to executives and staff. Unfortunately, BI developers seem to focus more on creating visual metaphors (dials, gauges, arrows, etc.) than understanding what constitutes a good KPI that delivers long-term value to the organization.

Part of the problem is that people use the terms “KPI” and “metric” interchangeably. This is wrong. A KPI is a metric, but a metric is not always a KPI. The key difference is that KPIs always reflect strategic value drivers whereas metrics may represent the measurement of any business activity.

When developing KPIs for scorecards or dashboards, you should keep in mind that KPIs possess 10 distinct characteristics. Although metrics may exhibit some of these characteristics, good KPIs possess all of them.

#1. KPIs Reflect Strategic Value Drivers
KPIs reflect and measure key drivers of business value. Value drivers represent activities that, when executed properly, guarantee future success. Value drivers move the organization in the right direction to achieve its stated financial and organizational goals. Examples of value drivers might be “high customer satisfaction” or “excellent product quality.”

In most cases, KPIs are not financial metrics. Rather, KPIs reflect how well the organization is doing in areas that most impact financial measures valued by shareholders, such as profitability and revenues. As such KPIs are “leading” not “lagging” indicators of financial performance. In contrast, most financial metrics (especially those found in monthly or annual reports) are lagging indicators of performance.

#2. KPIs Are Defined by “Executives”
Executives define value drivers in planning sessions which determine the short- and long-term strategic direction of the organization. To get the most from these value drivers, executives need to define how they want to measure their organizations’ performance against these drivers. Unfortunately, too many executives terminate strategic planning sessions before they define and validate these measurements, otherwise known as KPIs. The results are predictable, giving proof to the adage, “You can’t manage what you don’t measure.”

#3. KPIs Cascade throughout an Organization
Every group at every level in every organization is managed by an “executive” whether or not the person carries that title. These executives may be known as “divisional presidents,” “managers,” “directors,” or “supervisors,” among other things. Like the CXOs, these “executives” also need to conduct strategic planning sessions that identify the key value drivers, goals, and plans for the group. At lower levels, these elements may be largely defined and handed down by a group higher in the hierarchy.

However, in every case, each group’s value drivers and KPIs tie back to those at the level above them, and so on up to the level of the CXOs. In other words, all KPIs are based on and tied to the overarching corporate strategy and value drivers. In this way, top-level KPIs cascade throughout an organization, and the data captured by lower-level KPIs roll up to corporatewide KPIs. This linkage among all KPIs, which can be modeled using strategy mapping software, supports flexible analysis and reporting at any level of granularity at any level of the organization.

#4. KPIs Are Based on Corporate Standards
The only way cascading KPIs work is if an organization has established standard measurements. This is deceptively hard. It can take organizations months if not years to hash out the meaning of key measures or entities, such as “net profit” or “customer.” Functional representatives at a major U.S. airline spent months trying to agree on the meaning of “flight” and “segment” and their entire analytical infrastructure was put on hold until they achieved consensus. In some cases, organizations can only agree to disagree and use metadata to highlight the differences in reports. Only with enough top executive support can organizations overcome the political obstacles associated with standardizing definitions for commonly used KPIs.

#5. KPIs Are Based on Valid Data
When pressed, most executives find it easy to create KPIs for key value drivers. In fact, most industries already have a common set of metrics for measuring future success. Unfortunately, knowing what to measure and actually measuring it are two different things. Before executives finalize a KPI, they need to ask a technical analyst if the data exists to calculate the metric and whether it’s accurate enough to deliver valid results. Often, the answer is no! In that case, executives need either to allocate funds to capture new data or clean existing dirty data. Or they need to revise the KPI. Providing cost estimates for each approach will help executives decide the best course of action.

#6. KPIs Must Be Easy to Comprehend
One problem with most KPIs is that there are too many of them. As a result, they lose their power to grab the attention of employees and modify behavior. According to TDWI research, the median number of KPIs that organizations deploy per user is seven. More KPIs than this makes it difficult for employees to peruse them all and take requisite action.

In addition, KPIs must be understandable. Employees must know what’s being measured, how it’s being calculated, and, more importantly, what they should do (and shouldn’t do) to positively affect the KPI. This means it is not enough to simply publish a scorecard; you must train individuals whose performance is being tracked and follow up with regular reviews to ensure they understand and are acting accordingly. As one IT manager said, “Measurements without meetings is useless.”

#7 KPIs Are Always Relevant
To ensure that KPIs continually boost performance, you need to periodically audit the KPIs to determine usage and relevance. If a KPI isn’t being looked at, it should probably be discarded or rewritten. In most cases, KPIs have a natural lifecycle. When first introduced, the KPI energizes the workforce and performance improves. Over time, KPIs lose their impact and should probably be revised. Most organizations review and revise KPIs quarterly.

#8. KPIs Provide Context
Metrics always show a number that reflects performance. But a KPI puts that performance in context. It evaluates the performance according to expectations. The context is provided using 1) thresholds (i.e. upper and lower ranges of acceptable performance), or 2) targets (i.e. predefined gains, such as 10% new customers per quarter), or 3) benchmarks, which can be based on industrywide measures or various methodologies, such as Six Sigma. In addition, most KPIs indicate the direction of the performance, either “up,” “down,” or “static.”

#9. KPIs Empower Users
As stated above, you can’t manage what you don’t measure. But a corollary is that you can’t manage what you don’t reward. To be effective, KPIs must be reinforced with incentives. Almost 40 percent of organizations surveyed by TDWI say they restructured incentives systems when implementing KPIs. However, it’s important not to link incentives to KPIs until the KPIs have been fully vetted. Often, KPIs must be tweaked or modified before they have the desired effect.

It’s also critical to revamp business processes when implementing KPIs. The business process needs to empower users to take the appropriate action in response to KPIs. The last thing you want is informed but powerless users. That’s a recipe for disillusionment and poor morale. Forty percent of organizations said they modified business processes when implementing KPIs, according to TDWI research.

#10. KPIs Lead to Positive Action
Finally, KPIs should generate the intended action—improved performance. Unfortunately, many organizations allow groups to create KPIs in isolation. This leads to KPIs that undermine each other. For example, a KPI for a retail store might track stock outs (when it lacks enough merchandise on hand to meet demand) but the regional warehouse has an incentive to carry minimal inventory. If the regional warehouse does too good a job, it may not have enough inventory to keep the retail shelves stocked when there is a surge in demand for certain merchandise.

Another problem is human nature. People will always try to circumvent KPIs and find loopholes to minimize their effort and maximize their performance and rewards. Good KPIs are vetted before deployed and closely monitored to ensure they engender the intended consequences.

Conclusion
I hope you are convinced that KPIs are a breed apart from your run-of-the-mill metric. While an organization may have hundreds or thousands of metrics, it should only have a few dozen KPIs that focus employees on the key activities that deliver the most value to the organization.

In essence, KPIs are communications vehicles. They enable top executives to communicate the mission and focus of the organization and grab the attention of employees. When KPIs cascade throughout an organization, they ensure everyone at every level is marching together in the right direction to deliver the most value to the organization as a whole.

Wayne Eckerson is director of research at The Data Warehousing Institute. He recently wrote a report titled “Best Practices in Business Performance Management: Business and Technical Strategies.” The report is available free of charge at www.tdwi.org/research

A Consolidação das Leis Trabalhistas – CLT deve ter cláusulas específicas sobre teletrabalho.

Posted in Sem categoria on 6 de julho de 2010 by editor master

A Consolidação das Leis Trabalhistas – CLT deve ter cláusulas específicas sobre teletrabalho.

O teletrabalho pode ser definido como toda forma de produção executada por uma pessoa ou um grupo de pessoas, com a utilização de meios tecnológicos, estando em lugar afastado da empresa ou indústria à qual pertençam munidos dos requisitos essenciais que vinculam a relação empregado/empregador.

Qualquer meio tecnológico que for utilizado deverá ter o seu correto uso descrito e demonstrado. O controle deste tipo de atividade deve ser realizado de forma transparente e definido através de contrato de trabalho.

Como forma de controle dos serviços executados a empresa pode utilizar programas onde há necessidade de acesso por meio de login, pois esses programas, podem ser operados de forma remota e marcam o tempo de uso e horários de acesso do usuário. Assim, medem o horário real de trabalho do funcionário.

A empresa também pode bloquear números de telefone (celulares), usar programas que verificam o que é feito em determinado computador portátil, instalar câmeras etc. Cada caso deve ser analisado de forma separada e específica.

O controle por meio de programas informáticos (semelhantes aos de gestão empresarial) é o mais aconselhado para garantir a prestação de serviço, bem como para verificar a produtividade dos empregados. Também se podem usar programas voltados para área organizacional, como média de metas ou timesheet.

Se o empregador utilizar meios para controle que não são informados ao empregado e/ou que mantenham uma situação de constrangimento, ocorrerá à justa causa patronal e poderá o trabalhador requerer a rescisão indireta do contrato do trabalho. O mesmo vale pra o empregado que utilizar das ferramentas colocadas à sua disposição de forma inapropriada, podendo ensejar a justa causa.

O labor através do teletrabalho baseia-se em dois pilares: tecnologia e confiança. A empresa deve investir em tecnologia para manter boas condições de trabalho aos seus funcionários e para se precaver de futuras ações e fiscalizações trabalhistas. Já a confiança se pauta em princípio basilar do direito do trabalho e é inerente em qualquer tipo de contrato, seja em caso de teletrabalho ou de trabalho comum.

Os equipamentos utilizados devem ser de propriedade do empregador. Portanto, o material fornecido é “para” o trabalho e não “pelo” trabalho. Assim, todas as despesas são de responsabilidade do empregador e não do empregado. Esse é um ponto que deve ser analisado com muito cuidado.

Inicialmente, quando se fala de equipamentos para o trabalho, entende-se que o equipamento é da empresa, ou seja, é uma ferramenta de trabalho.

Assim, o empregado deve utilizar esse equipamento apenas para o seu ofício.

Se fornecidos ao empregado um computador portátil e um aparelho celular para trabalhar externamente, esse material é “para” o trabalho, bem como o e-mail do empregado é da empresa, a linha fornecida é da empresa etc.

É completamente lícito o monitoramento desses instrumentos de trabalho visto que o custo pela utilização é da empregadora. Assim, se ocorrer qualquer desvio de função na utilização, o empregado poderá ser penalizado.

Entretanto, se o material é disposto ao empregado “pelo” trabalho, não há possibilidade jurídica de a empresa monitorar esse material.

Além disso, se não existir qualquer menção no contrato de trabalho sobre as formas de uso, o empregador não poderá requerer determinadas atitudes de seu funcionário.

Os direitos e deveres de ambos os lados são os dispostos na CLT, nos contratos e acordos coletivos de trabalho ou em lei específica. Dessa forma, torna-se clara a necessidade de constarem no contrato de trabalho cláusulas específicas para quem labora no regime de teletrabalho, o que deverá ser feito de forma solene e escrita, constando as obrigações de ambas as partes.

(*) é advogado, especialista em Direito Processual Civil pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e sócio do escritório Valentim, Braga e Balaban Advogados.

Fonte: Revista Consultor Jurídico, por Alan Balaban Sasson, 05.07.2010

“A ação direta e as comissões de base são as grandes armas dos trabalhadores”

Posted in Sem categoria on 6 de julho de 2010 by editor master

“A ação direta e as comissões de base são as grandes armas dos trabalhadores”

Entrevista feita com Luis Ernesto Tavares em 2006.

Luiz Ernesto Tavares, na entrevista a seguir, conta um pouco de sua longa trajetória engajada na categoria dos petroleiros, o que já lhe valeu diversas punições pelos donos da situação. Conta ainda Tavares como através da prática se encontrou com as idéias anarquistas e lança um alerta para que os trabalhadores fiquem atentos àqueles que se dizem seus defensores mas que, na realidade, apenas repetem (e desta vez em farsa) antigos esquemas de dominação. Manifesta nosso entrevistado sua convicção na ação direta e na organização de base como as grandes armas de combate dos trabalhadores.
.
Libera - Tavares, como foi o início de sua militância?
Tavares – Começou em 1984. Em 1982 entrei para a Petrobrás. Em 84 houve um famoso acidente na plataforma de produção de Enchova, comovendo a base, que sentiu que o sindicato oficial não fazia nenhuma questão de estar em Macaé onde ocorreu o desastre. A partir deste acidente, em 85 organizamos pela base representantes tirados em cada plataforma, comissões para organizar uma associação da categoria. Como ainda estávamos na ditadura, registramos essa associação em cartório, tiramos uma diretoria, que a representaria, mas tendo sempre em vista que ela teria que ser uma associação da base. Participei dessa diretoria, que na verdade era composta apenas por um presidente, um secretário, que era eu, e mais dois suplentes. Havia também um conselho fiscal com quatro membros. Agora, a partir do momento em que formamos esta associação, começamos, tendo como ponto de partida as comissões de base, a levantar bandeiras. Então lutamos pela redução de jornada que na época era 1 por 1 (um embarque e uma folga), ou seja, na verdade era de 14 dias por 14 dias. Levantamos a bandeira da escala do “1 por 2” (um trabalhado, dois de folga). A nossa proposta foi amplamente aceita. Transformou-se, então, na prática, na reivindicação de “10 por 20” (trabalhar 10 e folgar 20). A partir daí começamos a nos empenhar cada vez mais na organização dos trabalhadores. Foi então que se iniciou a CUT. Seu primeiro congresso foi em 85 mesmo. Fui tirado como delegado e ali compareci como representante da base. Então a CUT nasceu nessa visão de base convivendo com representações sindicais de acordo com o velho estado de coisas. Inclusive uma das grandes bandeiras da época era tirar os sindicatos da tutela do Estado. Então a CUT nasceu dessa forma, pela base, e querendo sair da tutela do Estado. Isto para mim era uma questão de princípios. Então era uma bandeira a se empunhar.
.
Libera – Houve um momento em que você se interessou pelas propostas da então Convergência Socialista?
Tavares – Sim, isso ocorreu em 1987. O Lula, já se formando como Articulação Sindical, não dava muita importância às organizações de base, inclusive houve uma greve na Fiat aqui no Rio que o Lula simplesmente ignorou e era uma greve feita pelas organizações de base. Então, a partir deste momento, a Convergência colocava essa continuidade da organização pela base, dando apoio à associação, então fui para a Convergência. Em 88 houve um Congresso Nacional da CUT, o terceiro, em que a Articulação Sindical, querendo acabar com o “perigo” das organizações de base, propôs que a CUT fosse só composta por representantes sindicais, e a Convergência na época foi contra isso. O setor sindical da Convergência lutou nesse congresso contra esse tipo de manobra do estatuto. Só que, terminado o Congresso, a Convergência continuou na CUT e com isso, de 88 até os dias de hoje, a CUT continua a combater o projeto da organização pela base.
.
Libera – E como se desenvolveu esta situação?
Tavares – Em 1988, a associação transformou-se em sindicato que passava a se chamar Sindipetro NF (Norte Fluminense), também sem vínculo com a estrutura do Ministério do Trabalho. Apesar de termos colocado o estatuto em cartório, não dávamos muita atenção à questão da legalização no Ministério, apesar de também termos um processo apenas para dar conta das formalidades. Em 90 eu já havia saído da Convergência e então aconteceu a eleição do Sindipetro RJ. Nesse contexto, uma parcela do Sindipetro NF, da base, compõe com a oposição cutista do Rio de Janeiro para formar uma chapa contra a situação encastelada no Sindipetro RJ. O PSTU não rompe com este esquema. Eu fui convidado como representante da base mas me neguei a participar, entrar nessa estrutura. Em 95, após a oposição cutista e de base (Macaé) vencerem a eleição, acontece a separação do sindicato em Sindipetro RJ e Sindipetro NF. Este último que formalmente tivera início com o nosso registro, na realidade, vinha desde 85.
.
Libera – E as comissões de base? Continuaram?
Tavares – Sim, pois não há como desarticulá-las, pois quem faz as greves são as organizações de base. Não há condição de um diretor sindical ir na base, apesar de haver alguns diretores em algumas plataformas, quem organiza mesmo é a base que sai em greve de ocupação, isto é importante destacar. Esta forma de luta vem desde 88 e foi organizada pelo nosso antigo NF. Greve de ocupação com parada de produção na Petrobrás, quem fez pela primeira vez em 88 foi o antigo NF, que era, como já nos referimos, uma organização de base. Ainda em 88, organizamos, pela primeira vez no país no ramo petroleiro, como reforço para a luta global na região, uma parada de produção por tempo determinado, de 2 horas..
.
Libera – E a Convergência, como atuou daí para a frente?
Tavares – A Convergência, posteriormente organizada sob a legenda do PSTU, permaneceu na CUT até 2004, quando se iniciou a proposta da CONLUTAS que a meu ver é uma repetição muito pobre do que era a CUT antes, porque a CUT em seu nascedouro propunha organização pela base e o fim da vinculação com o Estado. Atualmente, apesar da contundência verbal em seus comunicados e discursos, eu não a vejo desempenhando qualquer papel de âmbito revolucionário.
.
Libera – E foi por aí que você se tornou anarquista ? O que te levou a esta opção ideológica?
Tavares – Sim. O que me levou ao Anarquismo foi observar que sua prática é sempre pela organização da base autogestionária e pela ação direta (greves). Inconscientemente eu já estava dentro da visão anarquista. A política “dos outros” já me parecia falsa quando pude observar que não contemplava uma organização revolucionária dos trabalhadores. Isto ficou claro naquela época e a gente vê hoje em movimentos como os recentemente acontecidos na França em que a CNT anarquista, organizada pela base, está atuando junto com outras entidades libertárias. O povo, a base, conseguiu implodir uma lei ministerial através da ação direta, com o concurso de 2 greves gerais, o que é importante frisar. A partir do momento em que saí da Convergência, logo a seguir vejo os anarquistas em uma passeata, li alguma coisa a respeito, não muito mas o suficiente e comecei a discutir, atraído pelas propostas de ação direta, as greves de ocupação, coisas de que já tínhamos uma prática na Bacia de Campos e a teoria anarquista confirmava tudo isto.
.
Libera – É interessante você se aproximar do Anarquismo, que desmascara a farsa institucional do sufrágio universal, em 1989, com a perspectiva da primeira eleição direta para presidente, o que levou muita gente a ter esperança no caminho eleitoral…
Tavares – Já tinha participado de outras eleições com a Convergência. Estou convencido de que realmente não podemos entregar nossas vontades a nenhum representante. O descompasso entre as lutas dos trabalhadores e política eleitoral parece estar bastante evidente para o movimento sindical atualmente. Agora mesmo podemos ver a questão dos petroleiros que praticamente não vão ter campanha em função da eleição agora para presidente da república. Foi assinado um acordo para a categoria válido por dois anos, quer dizer este ano, eleitoral, não tem acordo, só o dissídio, reajuste sindical. Penso que tal situação, que vincula toda uma organização de classe a um calendário eleitoral, é fruto da capitulação diante da democracia burguesa. O que poderia ser diferente se, como hoje na França, apelássemos para as organizações de base para que elas tirassem seus delegados e os enviassem como representantes de negociação para a formação de um quadro mais favorável a autonomia e autodeterminação da classe. Hoje nos petroleiros temos importantes demandas a serem encaminhadas. Reivindicações como a escala de “1 por 2” e itens de segurança nas plataformas. Neste momento nas plataformas, diferente do que pregam as diretorias burocratizadas, a classe deveria estar mobilizada para mostrar a necessidade da luta e não do atrelamento aos meios formais de representação oferecidos pela burguesia.
.
Libera – Voltando a 1988: como foi o processo da greve daquele ano e sua primeira demissão da Petrobrás?
Tavares – Em 88 eu era coordenador do Sindipetro NF, e já estava demitido antes mesmo da greve. Eu era representante da CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes) e fui demitido mesmo assim. Uma das pautas da greve de 88 era o meu retorno, foi a tal greve por tempo determinado, por 2 horas. Esta paralisação serviu de referência para outras greves por tempo indeterminado. No movimento de 88 houve demissão de outros companheiros que fizeram a greve, mas eles retornaram imediatamente, a minha reintegração não foi aceita. Creio que por ser coordenador do NF. Voltaria, então, somente em 90.
.
Libera – E o que aconteceu?
Tavares – Em 90 houve o Plano Collor. Sou demitido novamente nessa conjuntura. Quando os companheiros voltam, reintegrados por uma Anistia, em 92 eu continuava demitido e só com a greve de 94, que foi uma greve com parada de produção também na Plataforma por tempo indeterminado, eu retornei. Os companheiros de Minas Gerais que colaboraram com a greve foram acusados injustamente de sabotadores e não tiveram essa reintegração. Eu retorno com mais um grupo que já havia sido demitido anteriormente em 88 e 90, principalmente o pessoal que havia sido demitido em 90. Nós retornamos e os companheiros de Minas não foram reintegrados porque Itamar colocava que eles eram sabotadores. Em 95 retomamos a greve por não cumprimento do acordo de 94 e a reintegração dos companheiros de Minas. Esta greve de 95 foi a mais forte, foram 45 dias de paralisação. Foi a primeira vez em que Cubatão entrou em greve com parada de produção. Foi a primeira refinaria que entrou em greve com parada de produção. Mas houve um acordo de Vicentinho (CUT) com Fernando Henrique que fez com que houvesse uma degola enorme entre os militantes mais destacados, com quase 100 demitidos, inclusive eu, e quase mil punidos na Bacia de Campos. Então há um refluxo do movimento sindical em função desse acordo feito pela CUT com Fernando Henrique. É importante ressaltar que a opção de greve de ocupação com parada da produção, adotada pelos companheiros da Refinaria de Cubatão, foi respaldada pela nossa experiência da Bacia de Campos. Em delegação propusemos isto em Cubatão e ganhamos esta proposta, tanto que Cubatão fez a greve de ocupação.
.
Libera – E essa “degola” reverteu?
Tavares – Em 2001, quando já se achava que tudo estava perdido, a Bacia de Campos entra novamente em uma greve de ocupação com controle da produção por tempo determinado. Mas para Fernando Henrique isto é um baque. Como é que uma “vanguarda” inteira que tinha sido degolada de repente em 2001 retorna com uma greve de ocupação? A greve de ocupação com parada de produção mostrou-se uma arma tão eficaz dos trabalhadores que até a burocracia sindical, tentando fugir do rótulo de pelega, como no ano passado, propôs parte disto à categoria. Essa forma de luta, que é uma forma de ação direta, é que é eficaz. E sabemos que ela vai ser completamente vitoriosa quando nas negociações estiverem os representantes das comissões de base. Porque, enquanto delegarmos aos representantes sindicais de sindicatos estruturados pelo Estado e a ele atrelados, vão existir sempre acordos muito por baixo, muito aquém das expectativas dos trabalhadores e por muitas vezes, como na greve de 95, com acordos traidores e que degolam companheiros.
.
Libera – E os demitidos de 95?
Tavares – Recebemos um apoio do movimento anarquista muito grande. O movimento anarquista sempre esteve presente desde a ocupação do Edise (Edifício Sede da Petrobrás no centro do Rio) em 92 para 93. Na anistia de 2004, também recebemos apoio total, inclusive nos acampamentos à porta do Edise que reivindicavam nossa reintegração à empresa e sempre propondo a ação direta dos trabalhadores. O Anarquismo sempre esteve com as lutas dos trabalhadores de uma forma honesta e responsável, não colocando a questão da política partidária, não querendo nenhum fruto para a política partidária, mas sim para contribuir para a organização de um sindicalismo que seja de combate às classes dominantes.
.
Libera – E como foi a Anistia de 2004?
Tavares – Em 2002 iniciamos o debate a respeito desta questão. No governo Fernando Henrique, existia uma lei em tramitação no Congresso cujo objetivo era implodir a organização independente dos petroleiros. No início do governo Lula não se falava em Anistia e sim em readmissão, com claro propósito de diminuir o impacto das conquistas. Mas em 2003 já estava clara a tentativa do governo em substituir a vitória de um movimento de base, o da Anistia, por um processo administrativo e parlamentar configurado em simples readmissão. Então nós, anarquistas, colocamos que não, o que precisamos sim era da Anistia. Alguns companheiros achavam que tinha que ser feita uma lei de Anistia e nós defendíamos a ação direta para consegui-la. Considerávamos que se ficássemos dependendo de lei, de acordos entre os parlamentares, íamos ser prejudicados.
.
Libera – “Pede ação, não pede lei”.
Tavares – Não só os demitidos da greve de 95. Nossa proposta era que não só os demitidos de 95 mas todos os que tinham sido perseguidos ou prejudicados pelo neoliberalismo fossem anistiados também. Esta era a proposta geral. Não conseguimos, mas conseguimos pelo menos a Anistia dos companheiros da greve. Não conseguimos um acúmulo de forças para lutarmos neste sentido.e muitos militantes já estavam até satisfeitos com a questão de voltar apenas o pessoal da greve de 95 anistiado. A luta foi vitoriosa e aí vem o aspecto do papel que cada um desempenhou nesta questão. Neste momento em que os anarquistas questionavam uma lei que iria dar apenas a readmissão, enfrentaram uma Articulação Sindical, já no governo, que aceitava nossa readmissão, e ao mesmo tempo o pessoal do MTS que ficou em cima do muro. Nos primeiros meses, o MTS, tendência sindical do PSTU, não se posicionou efetivamente a favor de nossa proposta de Anistia. Isto só acontece durante o acampamento em frente ao Edise, em maio de 2003.
.
Libera – Você faria outras críticas ao MTS/CONLUTAS?
Tavares – Eu digo é que eles nunca se posicionaram em favor das comissões de base, e isto já vem de longe. Não são a favor das comissões de base em sua forma autônoma. Querem as comissões de base sempre ligadas ao sindicato, e não de forma autônoma como devem ser. Comissões de base, o nome já diz tudo, são organizações pela base. Esse pessoal tenta sempre manter a estrutura sindical como geradora de tudo. E uma estrutura atrelada ao governo. Eles nunca colocaram isto de uma forma bem clara. Em 2004 estas mesmas pessoas continuavam compondo com a CUT, isto é, com a posição verticalista do Sindicalismo. Este é o ano em que começa a aparecer a CONLUTAS.
.
Libera – Você então compararia a CONLUTAS com a CUT em sua fase inicial?
Tavares – É uma repetição mais recuada do que era a CUT no início, porque a CUT defendia as comissões de base e o rompimento com a estrutura sindical atrelada ao Estado. A CONLUTAS não coloca nada disso. Inclusive na questão das delegações eles defendem propostas opostas a um sindicalismo autônomo.
.
Libera – Então seria até um retrocesso?
Tavares – Com certeza. Eu não embarcaria nessa. Estão aquém da CUT em seu início. Não dessa CUT de hoje, claro. Mas no sentido sindical revolucionário que a CUT apresentou em suas origens, está muito abaixo. No âmbito revolucionário, pois havia o setor conservador, ligada aos sindicatos atrelados, que eram o Lula (metalúrgicos), o Olívio Dutra e o Gushiken (bancários) e Jacó Bittar (petroleiros). Questões importantes para os trabalhadores foram colocadas no momento inicial da CUT. Para que se tenha uma idéia foi em um curso de formação sindical, realizado em Campinas, que tive o primeiro contato com idéias anarquistas. O sindicato dos petroleiros de Campinas era nossa referência na época, pois havia feito uma greve durante a ditadura, e isto nos comoveu muito. Parece que em Mataripe (Bahia) houve uma greve com parada de produção, que teria sido a primeira, antes mesmo de Cubatão. O Sindipetro de Campinas era ligado ao Jacó Bittar, seu presidente demitido logo depois da greve de 1983. Naquele curso de formação se falou no sindicato anarquista no início do século XX e foi a primeira vez que o Anarquismo me chamou a atenção.
.
Libera – Mas aproveitando o seu comentário, por que você, naquela oportunidade, não foi atraído por outra ideologia de esquerda, como, por exemplo, o Trotskismo?
Tavares – Para analisarmos o Trotskismo teríamos que nos remeter à Revolução Russa em 1917, onde os sovietes, que eram conselhos de trabalhadores autogestionados pelos revolucionários de primeira hora, não só anarquistas, foram abafados, trucidados pelo Exército Vermelho cujo comandante na época era Trotsky. E logo depois, na questão do Sindicalismo após a morte do Lênin, o Trotsky sempre colocou que o sindicato tem que estar do lado do partido. Então essa visão de partido é que não pode ter dentro do Sindicalismo, principalmente do Sindicalismo Revolucionário. Nós, anarquistas, combatemos isso, porque temos a certeza de que o Sindicalismo Revolucionário tem que ser um eterno combate contra qualquer dominante, seja de que lado diga que esteja e de que cor se proclame. A luta dos trabalhadores tem que ser autogerida, como houve no sindicato polonês Solidariedade. Autogestão nos locais de trabalho, na direção. Isto é oposto a qualquer pensamento marxista, inclusive o Trotskismo. O Marxismo considera que o partido é que tem de estar dirigindo tudo. É o chamado centralismo democrático que, na verdade, é o domínio de alguns que se julgam cabeças iluminadas e que julgam saber as respostas para todos os problemas da humanidade. Então é isto que combatemos, porque somos a favor de uma forma de estruturação social que é a autogestão, o federalismo, sem nações, todos os povos organizados em federações. Esta á proposta anarquista, oposta à política marxista, à visão leninista de centralismo democrático. Tanta coisa já aconteceu para que a história confirme o acerto das teses anarquistas.
.
Libera – Como você vê os recentes acontecimentos na França?
Tavares - Este caso da França fecha bem o que estou tentando dizer. Você vê que ali havia uma lei promulgada, tudo já decidido pelo governo. Então vem o povo, os sindicatos autônomos, as organizações de base, que vão para rua, fazem uma greve geral e impedem que os sindicatos verticalizados façam acordos com o governo. Com o povo na rua, desmoralizam o governo e qualquer tipo de acordo até então feito. E aí se consegue esta grande vitória, que é a de derrubar uma lei. Porque as leis podem ser derrubadas pelo povo e pelas organizações que combatem o Capitalismo. Está aí provado à eficácia da ação direta. Mais um exemplo, na prática, que a ação direta é a grande arma dos trabalhadores. E não é aquela coisa de falar “Ah, não, mas esta é a organização natural das massas”. Mas não é natural, é preciso passar informação, discutir com as pessoas, fazer com que elas percebam a realidade dos fatos. Isto aconteceu lá. Natural é só a revolta, não a mobilização. Então, isto está provado, tanto para os capitalistas quanto para o pessoal da esquerda marxista. Neste contexto é que colocamos a questão do 1º de Maio. Lembramos que dos oito mártires executados, sete eram anarquistas e estavam à frente da luta pela redução da jornada de trabalho.Primeiro de Maio é dia de luto e luta!

.
(entrevista feita pela Federação Anarquista do Rio de Janeiro – FARJ – e publicada no informativo Libera nº. 134, ano 16, março-abril/2006)

Fonte:

http://expressaoliberta.blogspot.com/2010/06/acao-direta-e-as-comissoes-de-base-sao_24.html

Governo federal terá Comunidade de Colaboração PloneGov-BR

Posted in Sem categoria on 6 de julho de 2010 by editor master

Com o intuito de estabelecer um canal de colaboração entre instituições que fazem uso, desenvolvem e incentivam a tecnologia Zope/Plone e o Software Livre é que técnicos de órgãos federais lançam esta iniciativa.

“Queremos fomentar a criação de uma rede de profissionais que trabalham com essas tecnologias, trocar experiências, auxiliar instituições que estejam iniciando a implantação em suas unidades, compartilhar conhecimento”, defende Cintia Cinquini, da Presidência da República.

A Comunidade PloneGov-BR é composta pelo Serpro, Ministério do Planejamento, Interlegis, Câmara dos Deputados, EBC, Correios e Presidência da República. Cintia explica que a expectativa é aumentar o número de parceiros para dar mais força à rede e ressalta que o convite para integrar o grupo é aberto a todas as instituições e profissionais que trabalham com a tecnologia.

Comunidade

A Comunidade é um espaço de discussão, apoio e treinamento, que dá às instituições parceiras mais agilidade no trabalho com a ferramenta, cooperação em torno das soluções e máxima extração de capacidade técnica. A Comunidade PloneGov-BR funcionará como um fórum institucionalizado para o debate dos diversos atores públicos, com o objetivo de somar esforços para um mesmo resultado, “dessa forma é possível executar mais em menos tempo e com mais qualidade”, afirma Cinquini.

Atuar nos vários segmentos de governo, conhecer e reunir instituições que já utilizam ou demonstrem interesse na ferramenta, para estabelecer os elos dessa rede é um dos primeiros desafios da Comunidade, que acredita nos encontros técnicos e um agenda de trabalho para aquecer e movimentar a nova rede. “Entendemos que uma iniciativa como esta reforça as práticas de colaboração no governo e também o uso de softwares livres”, analisa Jean Ferri, do Interlegis.

A expectativa de aumentar a colaboração tecnológica entre as instituições governamentais como alternativa para a economia de recursos públicos, melhoria nas soluções de TI e difusão das plataformas abertas e livres é uma das premissas do Comitê Técnico de Implementação de Software Livre – CISL.

Plone

Os sistemas de governo eletrônico operam via web, por isso, a importância de assegurar o uso de uma ferramenta madura e de boa qualidade para a Administração Pública. Congregar o maior números de órgãos e empresas públicas para compartilharem experiências, conhecimentos e dificuldades no uso desta tecnologia é um dos desafios da nova comunidade.

O Plone possui algumas peculiaridades e características que justificam o crescimento da sua utilização em portais e sítios de governo. Soluções importantes já são previstas na instalação padrão do Plone, como a acessibilidade, que para sítios de governo é imprescindível.

A facilidade de uso (usabilidade) por parte do gestor de conteúdo e a não obrigatoriedade de conhecimentos técnicos em linguagem de marcação de texto (HTML) são outras particularidades que fazem do Plone uma escolha bastante atraente para quem busca uma solução de CMS (sistema de gerenciamento de conteúdos). “Além do mais, é uma plataforma de software livre que conta com uma grande comunidade de colaboradores no Brasil e no exterior”, defende Cintia.

Mais informações: http://colab.interlegis.gov.br/wiki/PloneGovBr

Fonte: http://www.softwarelivre.gov.br/noticias/governo-federal-tera-comunidade-de-colaboracao-plonegov-br

http://softwarelivre.org/zope/governo-federal-tera-comunidade-de-colaboracao-plonegov-br

Campanha de Sindicalização: O que motivaria vc a ser um sindicalizado?

Posted in Sem categoria on 6 de julho de 2010 by editor master

Sindicalização de empregados, aposentados e pensionistas é importante.

Vc colabora para a manutenção dos serviços do sindicato, apoio a campanhas locais e nacionais.

Vc pode votar na escolha da diretoria. E na escolha do Conselho Fiscal. E na mudança do Estatuto.

Vc pode ser um diretor sindical

Responda a esta enquete: (Permite mais de uma resposta. A lista foi preenchida a partir de sugestões. Se desejar coloque a sua aqui no post). Indique esta pesquisa para outros petroleiros !!!

Participe ainda do grupo de debates sobre os acordos coletivos do Sistema Petrobras, em http://br.groups.yahoo.com/group/Acordo_Coletivo_Petrobras

A assinatura eletrônica ou digital como prova

Posted in Sem categoria on 6 de julho de 2010 by editor master

As correspondências eletrônicas não terão êxito se a assinatura eletrônica não vier a ser considerada como um meio de prova válido.

Preocupados com esta situação e com o progresso tecnológico decorrente da informática, nossos parlamentares apresentam no Congresso Nacional o projeto de lei que equipara a assinatura digital àquela formalmente aposta em um suporte físico. Desta forma, consta-se que está em trâmite no Congresso Nacional a mais significante reforma dos meios de prova existente em nosso direito e que vem ao encontro da evolução realizada em outros países desenvolvidos, (Estados Unidos, França, Alemanha, Itália) que já reconhecem através de lei específica a assinatura digital como meio de prova.

Ao mesmo tempo que este projeto percorre seu trâmite no legislativo, não podemos esquecer do papel desempenhado pelo Judiciário neste reconhecimento paralelo da assinatura eletrônica ou digital como meio de prova. Mas esta assinatura deve ser segura e confiável para que a comunicação pela internet se desenvolva adequadamente e para isso a criptografia aparece como um mecanismo para esta realização.

O atual conceito de assinatura manuscrita como um ato físico e personalíssimo realizada através de um suporte material é inadequado para os conceitos de informática. Esta assinatura tradicional não deve ser confundida com a assinatura digital.

A assinatura digital não é um ato pessoal do assinante porque ela é fornecida por outrem e ela não se repete a cada mensagem, além do que ela não está ligada a um meio físico capaz de poder ser submetida a um processo de reconhecimento por semelhança ou periciada através da perícia grafológica. Ela não apresenta a marca pessoal de quem está firmando o documento porque ela está representada por uma série de letras, números e símbolos embaralhados de forma ininteligíveis. A assinatura digital é transferível enquanto que a assinatura manuscrita é instransferível.

Esta forma de assinatura não deve ser limitada a um começo de prova, ela deve ser considerada uma prova quando não for fraudada.

Nossos tribunais vêm reconhecendo de forma progressiva a utilização dos novos conceitos da informática, já admitindo o peticionamento eletrônico, a exemplo do que dispõe a resolução administrativa do TRT n.º 007/2002, dirigidas aos Juízos de 1.º e 2.º graus da Sexta Região.

O artigo 3.º desta resolução indica o procedimento que o advogado deverá seguir para o encaminhamento de sua petição e reconhecer a assinatura digital do seu emitente o dispensando da assinatura manuscrita dos documentos encaminhados pela internet.

O Judiciário vem evoluindo de forma paralela ao Legislativo para reconhecer a assinatura digital ou eletrônica como prova a equiparando a assinatura manuscrita.

* Robson Zanetti é mestre e doutor em Direito Comercial pela Universitè de Paris 1 Panthéon-Sorbonne. Especialista em Direito Comercial pela Università degli Studi di Milano. E-mail: robsonzanetti@hotmail.com


Prêmio de Artigos Científicos sobre Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público

Posted in Sem categoria on 6 de julho de 2010 by editor master

Estão abertas as inscrições para o Prêmio de Artigos Científicos sobre Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público, iniciativa da Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda, em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV) e a Escola de Administração Fazendária (ESAF). Podem concorrer artigos individuais e em grupo de candidatos de qualquer nacionalidade e formação acadêmica, além de estudantes que estejam cursando graduação. Os interessados devem enviar seus trabalhos para o e-mail premio-custos.df.esaf@fazenda.gov.br até  19 de julho de 2010. O Prêmio será concedido em duas categorias: Profissionais e Estudantes de Graduação.

Os três primeiros colocados da categoria Profissionais recebem a premiação nos valores de R$ 6 mil, R$ 4 mil e R$ 3 mil.

Na Categoria Estudantes de Graduação as premiações são de R$ 3 mil, R$ 2 mil e R$ 1.500. Para saber mais acesse o regulamento do concurso no site da ESAF: http://www.esaf.fazenda.gov.br/esafsite/premios/premio_artigos_cientificos/home_artigos_cientificos.htm

Banco do Brasil S.A. tem estabilidade de 1 ano em caso de pré-aposentadoria

Posted in Sem categoria on 4 de julho de 2010 by editor master

ACT Banco do Brasil 2009-2010

CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA – ESTABILIDADES PROVISÓRIAS NO EMPREGO

Gozarão de estabilidade provisória no emprego, salvo por motivo de justa causa para despedida:

a)   gestante: desde a gravidez até 05 (cinco) meses após o término da licença maternidade;

b)  alistado para o serviço militar: desde o alistamento até 30 (trinta) dias depois de sua desincorporação ou dispensa, salvo se declarar, por ocasião da incorporação ou matrícula, não pretender a ele retornar;

c)   acidentado: por 12 (doze) meses após a cessação do auxílio-doença acidentário, independentemente da percepção do auxílio-acidente, consoante artigo 118 da Lei 8213, de 24.07.1991;

d)     em pré-aposentadoria: durante os 12 (doze) meses imediatamente anteriores à complementação do tempo para aposentadoria proporcional ou integral pela previdência social, respeitados os critérios estabelecidos pela legislação vigente, os funcionários que tiverem o mínimo de 5 (cinco) anos de vinculação empregatícia com o BANCO, extinguindo-se automaticamente a garantia após adquirido o direito.

e)   gestante/aborto: por 60 (sessenta) dias, em caso de aborto espontâneo, comprovado por atestado médico oficial, ficando-lhe assegurado o direito de retornar à função que ocupava antes de seu afastamento.

Parágrafo Único – Quanto aos funcionários mencionados na alínea “d” desta cláusula, deve observar-se ainda que:

a)  a estabilidade provisória somente será adquirida a partir do recebimento, pelo BANCO, de comunicação do funcionário, por escrito, devidamente protocolada, de reunir ele as condições previstas, acompanhada dos documentos comprobatórios;

b)  a estabilidade não se aplica aos casos de demissão por força maior comprovada, dispensa por justa causa ou pedido de demissão, e se extinguirá se não for requerida a aposentadoria imediatamente após completado o tempo mínimo necessário à aquisição do respectivo direito.

Ver todo o ACT aqui.

Santa Casa firma TAC para coibir assédio moral

Posted in Sem categoria on 4 de julho de 2010 by editor master

Belo Horizonte (MG), 31/05/2010 - A Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte vai promover reuniões, seminários e palestras sobre o tema “Assédio Moral no Trabalho”, com o objetivo de prevenir práticas discriminatórias. A iniciativa é uma das obrigações do acordo judicial feito entre a entidade e o Ministério Público do Trabalho (MPT).

“Incluir uma obrigação específica no acordo sobre a realização de palestras com os trabalhadores e terceirizados, localiza e evita as práticas de assédio, que são efetivamente comuns em relações de poder”, ressalta a procuradora Ana Cláudia Nascimento Gomes, que atuou no caso.

No Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado, a Santa Casa se compromete ainda a não realizar qualquer prática vexatória em desfavor de seus empregados e a zelar pela boa convivência social no ambiente de trabalho. As multas por descumprimento dos termos acordados variam de R$5 a R$25 mil por cada prática discriminatória constatada, revertida ao Fundo da Infância e da Adolescência (FIA).

A Santa Casa assinou o TAC e se comprometeu em realizar as palestras, porém solicitou menção expressa no documento de que não reconhece como coletiva a prática de assédio moral.

A denúncia de assédio moral e sexual partiu da 39º Vara do Trabalho de Belo Horizonte. Com base em um caso de uma uma ex-funcionária vítima de assédio moral, o MPT instaurou Inquérito Civil por meio do qual constatou-se as irregularidades descritas pela Vara. Segundo relatou a vítima em depoimento, até as idas ao banheiro e ao bebedouro eram controladas. Além disso, diversas funcionárias presenciaram o gestor do setor, onde trabalhavam, acessando sites de conteúdo erótico.

Fonte: Ministério Público do Trabalho em Minas Gerais
Mais informações: (31) 3304-6291

Banco do Brasil tem Representante Sindical de Base

Posted in Sem categoria on 4 de julho de 2010 by editor master

– REPRESENTANTE SINDICAL DE BASE – 1 para cada 50/80 funcionários

O BANCO DO BRASIL, a CONTRAF, as FEDERAÇÕES e os Sindicatos signatários, considerando o disposto no Parágrafo Único da Cláusula Trigésima Nona do presente Acordo Coletivo de Trabalho, resolvem firmar este Instrumento, que regulará as relações dos Representantes Sindicais de Base com o BANCO, conforme as seguintes disposições:

DO RECONHECIMENTO

Artigo 1o – O BANCO reconhece os Representantes Sindicais de Base eleitos pelos funcionários.

Artigo 2o – Os Representantes Sindicais de Base serão eleitos levando-se em conta a quantidade de funcionários lotados em cada dependência, limitado a 1 (um) Representante por grupamento de até 80 (oitenta) funcionários do BANCO na base do sindicato local, com o mínimo de 1 (um).

Parágrafo Primeiro Respeitado o limite estabelecido no caput deste Artigo, a distribuição dos Representantes Sindicais de Base será de, no máximo, 1 (um) Representante por grupamento de 50 (cinqüenta) funcionários ou de 1 (um) Representante nas dependências com menos de 50 (cinqüenta) funcionários.

Parágrafo Segundo – É prerrequisito para candidatura de funcionário a Representante Sindical de Base, estar lotado na dependência para cuja representação se candidata, respeitando-se ainda a seção, no caso desta estar apartada fisicamente de prédio diverso do funcionamento da dependência de lotação.

DO PROCESSO ELEITORAL

Artigo 3o – Caberá aos sindicatos a normatização e a coordenação do processo de eleição do Representante Sindical de Base.

Parágrafo Único – No caso de a eleição ocorrer nas dependências do BANCO, deverá ser realizada em dia e horário pactuados com a administração da dependência.

DO MANDATO

 

Artigo 4o – Os Representantes Sindicais de Base terão mandato de 1 (um) ano.

DAS ATRIBUIÇÕES

 

Artigo 5o – Compete ao Representante Sindical de Base:

a)      representar os funcionários de sua dependência junto ao sindicato;

b)             manter contato permanente com os colegas de sua dependência, debatendo e organizando as reivindicações, manifestações, críticas e sugestões para melhoria das condições de trabalho, encaminhando-as ao Sindicato e à Administração;

c)         responsabilizar-se, subsidiariamente à direção sindical, pela distribuição dos boletins e publicações que digam respeito aos funcionários e sindicatos;

d)         encaminhar reivindicações específicas dos funcionários, na forma estabelecida entre o BANCO e o sindicato dos trabalhadores.

DAS PRERROGATIVAS

 

Artigo 6o – Ao funcionário eleito Representante Sindical de Base são asseguradas as prerrogativas do art. 543 da CLT.

Parágrafo Único – O Representante Sindical de Base não poderá ser removido do seu local de trabalho, durante a vigência do mandato, salvo em comum acordo entre ele e o BANCO, com anuência do Sindicato ao qual esteja vinculado.

 

Artigo 7oEm caso de transferência, rescisão do contrato de trabalho, renúncia, destituição ou falecimento, poderá ser eleito novo Representante Sindical de Base apenas para complementar o mandato interrompido.

Artigo 8oO Representante Sindical de Base poderá deixar de comparecer ao serviço por motivo de participação em seminários, congressos ou outras atividades sindicais, até 10 (dez) dias úteis por ano, desde que o Banco seja avisado com antecedência mínima de 03 (três) dias úteis e previamente autorize (DIREF-GEFUN), respeitando-se a conveniência do serviço.

Parágrafo Primeiro – Em caso de vacância do cargo de um ou mais Representantes Sindicais de Base, caberá ao sindicato convocar eleição para eleger o(s) substituto(s), que cumprirá(ão) o tempo de mandato que restar.

Parágrafo Segundo – Os afastamentos para tratar de assuntos particulares, tratamento de saúde, licença-maternidade e demais licenças, não cancelam o mandato eletivo e, conseqüentemente, não propiciam a realização de nova eleição.

Artigo 9o - O Representante Sindical de Base poderá promover reuniões com os demais funcionários da dependência, desde que previamente acordado com a Administração.

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

 

Artigo 10o – A ação do Representante Sindical de Base é livre, respeitadas as conveniências de funcionamento da dependência e de atendimento ao público.

Artigo 11o – O Sindicato comunicará à dependência, à Delegacia Regional do Trabalho (DRT) e ao BANCO (DIREF-GEFUN), o(s) nome(s) do(s) funcionário(s) eleito(s) Representante(s) Sindical(ais) de Base e a data de início e término do mandato, no prazo máximo de 5 (cinco) dias úteis após a data da eleição.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 216 outros seguidores