Riscos Físicos – CIPA – Riscos Físicos no Ambiente de Trabalho


Veja mais em:

http://br.groups.yahoo.com/group/CIPAS_BR

Dicas para um boa gestão da CIPA aqui

Riscos Físicos

Cor Verde

São considerados riscos físicos:
· ruídos;
· calor;
· vibrações;
· pressões anormais;
· radiações;
· umidade.

RUÍDOS

As máquinas e equipamentos utilizados pelas empresas produzem ruídos que podem atingir níveis excessivos, podendo a curto, médio e longo prazos provocar sérios prejuízos à saúde.
Dependendo do tempo de exposição, nível sonoro e da sensibilidade individual, as alterações danosas poderão manifestar-se imediatamente ou gradualmente.

Quanto maior o nível de ruído, menor deverá ser o tempo de exposição ocupacional.

Limite de tolerância para ruído contínuo ou intermitente

Nível de ruído dB(A)
Máxima exposição diária permissível

Consequências

O ruído age diretamente sobre o sistema nervoso, ocasionando:
· fadiga nervosa;
· alterações mentais: perda de memória, irritabilidade, dificuldade em coordenar idéias;
· hipertensão;
· modificação do ritmo cardíaco;
· modificação do calibre dos vasos sanguíneos;
· modificação do ritmo respiratório;
· perturbações gastrointestinais;
· diminuição da visão noturna;
· dificuldade na percepção de cores.
Além destas conseqüências, o ruído atinge também o aparelho auditivo causando a perda temporária ou definitiva da audição.

Medidas de controle
Para evitar ou diminuir os danos provocados pelo ruído no local de trabalho, podem ser adotadas as seguintes medidas:
· Medidas de proteção coletiva: enclausuramento da máquina produtora de ruído; isolamento de ruído.
· Medida de proteção individual: fornecimento de equipamento de proteção individual (EPI) (no caso, protetor auricular). O EPI deve ser fornecido na impossibilidade de eliminar o ruído ou como medida complementar.
· Medidas médicas: exames audiométricos periódicos, afastamento do local de trabalho, revezamento.
· Medidas educacionais: orientação para o uso correto do EPI, campanha de conscientização.
· Medidas administrativas: tornar obrigatório o uso do EPI: controlar seu uso.

VIBRAÇÕES

Na indústria é comum o uso de máquinas e equipamentos que produzem vibrações, as quais podem ser nocivas ao trabalhador.

As vibrações podem ser:
Localizadas – (em certas partes do corpo) . São provocadas por ferramentas manuais, elétricas e pneumáticas.
Conseqüências: alterações neurovasculares nas mãos, problemas nas articulações das mãos e braços; osteoporose (perda de substância óssea).

Generalizadas – (ou do corpo inteiro) . As lesões ocorrem com os operadores de grandes máquinas, como os motoristas de caminhões, ônibus e tratores. Conseqüências: Lesões na coluna vertebral; dores lombares.

Medidas de controle:
Para evitar ou diminuir as conseqüências das vibrações é recomendado o revezamento dos trabalhadores expostos aos riscos (menor tempo de exposição).

RADIAÇÕES

São formas de energia que se transmitem por ondas eletromagnéticas. A absorção das radiações pelo organismo é responsável pelo aparecimento de diversas lesões. Podem ser classificadas em dois grupos:

Radiações ionizantes:
Os operadores de raio-x e radioterapia estão freqüentemente expostos a esse tipo de radiação, que pode afetar o organismo ou se manifestar nos descendentes das pessoas expostas.

Radiações não ionizantes:
São radiações não ionizantes a radiação infravermelha, proveniente de operação em fornos , ou de solda oxiacetilênica, radiação ultravioleta como a gerada por operações em solda elétrica, ou ainda raios laser, microondas, etc.

Seus efeitos são perturbações visuais (conjuntivites, cataratas), queimaduras, lesões na pele, etc.

Medidas de controle:
· Medidas de proteção coletiva: isolamento da fonte de radiação (ex: biombo protetor para operação em solda), enclausuramento da fonte de radiação (ex: pisos e paredes revestidas de chumbo em salas de raio-x).
· Medidas de proteção individual: fornecimento de EPI adequado ao risco (ex: avental, luva, perneira e mangote de raspa para soldador , óculos para operadores de forno).
· Medida administrativa: (ex: dosímetro de bolso para técnicos de raio-x).
· Medida médica: exames periódicos.

CALOR

Altas temperaturas podem provocar:
· desidratação;
· erupção da pele;
· câimbras;
· fadiga física;
· distúrbios psiconeuróticos;
· problemas cardiocirculatórios;
· insolação.

FRIO

Baixas temperaturas podem provocar:
· feridas;
· rachaduras e necrose na pele;
· enregelamento: ficar congelado;
· agravamento de doenças reumáticas;
· predisposição para acidentes;
· predisposição para doenças das vias respiratórias.

Medidas de controle:
· Medidas de proteção coletiva: ventilação local exaustora com a função de retirar o calor e gases dos ambientes, isolamento das fontes de calor/frio.
· Medidas de proteção individual: fornecimento de EPI (ex: avental, bota, capuz, luvas especiais para trabalhar no frio).

PRESSÕES ANORMAIS

Há uma série de atividades em que os trabalhadores ficam sujeitos a pressões ambientais acima ou abaixo das pressões normais, isto é, da pressão atmosférica a que normalmente estamos expostos.

Baixas pressões: são as que se situam abaixo da pressão atmosférica normal e ocorrem com trabalhadores que realizam tarefas em grandes altitudes. No Brasil, são raros os trabalhadores expostos a este risco.

Altas pressões: são as que se situam acima da pressão atmosférica normal. Ocorrem em trabalhos realizados em tubulações de ar comprimido, máquinas de perfuração, caixões pneumáticos e trabalhos executados por mergulhadores. Ex: caixões pneumáticos, compartimentos estanques instalados nos fundos dos mares, rios, e represas onde é injetado ar comprimido que expulsa a água do interior do caixão, possibilitando o trabalho. São usados na construção de pontes e barragens.

Consequências:

· ruptura do tímpano quando o aumento de pressão for brusco;
· liberação de nitrogênio nos tecidos e vasos sanguíneos e morte.

Medidas de controle
Por ser uma atividade de alto risco, exige legislação específica (NR-15) a ser obedecida.

UMIDADE

As atividades ou operações executadas em locais alagados ou encharcados, com umidade excessiva, capazes de produzir danos à saúde dos trabalhadores, são situações insalubres e devem ter a atenção dos prevencionistas por meio de verificações realizadas nesses locais para estudar a implantação de medida de controle.

Consequências:

· doenças do aparelho respiratório;
· quedas;
· doenças de pele;
· doenças circulatórias.

Medidas de controle:
· Medidas de proteção coletiva: estudo de modificações no processo do trabalho, colocação de estrados de madeira, ralos para escoamento.
· Medidas de proteção individual: fornecimento do EPI (ex: luvas, de borracha, botas, aventa para trabalhadores em galvanoplastia, cozinha, limpeza etc).

About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 216 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: